Qualificação promovida pela Prefeitura capacita mais mil pessoas em Belém

Há mais de 13 anos Simara Moraes Farias, de 28 anos, pratica o ofício de manicure, que aprendeu ainda criança. De casa em casa, de cliente em cliente, Simara foi crescendo na profissão, aperfeiçoando técnicas, e, hoje, sonha em montar um pequeno negócio, uma esmalteria, onde terá espaço para trabalhar com o que ama e dar oportunidades de emprego para outras pessoas. 

Nesta sexta-feira, 10, Simara deu mais um passo rumo a este sonho. Ela foi uma das 1.000 pessoas certificadas pela Prefeitura de Belém, por meio do Fundo Ver-o-Sol, em cursos de capacitação e aperfeiçoamento. A cerimônia foi realizada no auditório Ismael Nery, do Centur.

“Eu fui atrás do curso para me aprimorar, porque quero montar minha esmaltaria. Tenho certeza que esse curso vai me ajudar muito”, afirmou Simara, que gostou tanto da capacitação em manicure e pedicure promovida pela gestão municipal, que quer continuar a caminhada de estudos. “Agora quero fazer o curso para administração de pequenas empresas e, se Deus quiser, ano que vem tô com a minha esmaltaria”.

Além de manicure e pedicure, foram capacitados alunos em cursos de informática básica e avançada, empreendedorismo, cozinha paraense, preparo de pizzas, administração de pequenas empresas, preparo de doces e salgados, serviços de garçom e garçonete, entre outros. “Com essas capacitações, a Prefeitura de Belém dá mais uma oportunidade para que as pessoas possam ingressar ou retornar para o mercado de trabalho mais preparadas. E, não só com a preocupação de ter carteira assinada, mas também para serem futuros empreendedores, empregando e sendo empregados”, destacou a coordenadora geral do Fundo Ver-o-Sol, Maria de Belém Batista Pereira.

Para o nutricionista Paulo Vidal, de 57 anos, a oportunidade de uma qualificação gratuita foi motivador para sair da zona de conforto e ir em busca de novas possibilidades para a sua carreira. Paulo já se qualificou em três cursos do Fundo, cozinha paraense; boas práticas de higiene e manipulação de alimentos; e por último, preparo de pizzas. “Tive professores maravilhosos e bem capacitados em todos os cursos, que nos motivam a trabalhar ainda mais”, frisou Paulo.

Ele agora se prepara para uma nova etapa de estudos e possibilidades profissionais. “Tenho vontade de ter um restaurante pequeno, mas pra isso a gente tem que estudar, não dá pra fazer as coisas de qualquer jeito. Tô me preparando pra isso”, afirmou ele, que espera um dia contar também com a linha de microcrédito da Prefeitura de Belém para abrir sua pequena empresa.

O microcrédito é mais uma vertente do Fundo Ver-o-Sol, que busca incentivar os pequenos empreendedores já capacitados e qualificados nos cursos, para que possam expandir ou começar um negócio. O trabalhador autônomo do ramo de hortifruti Roque de Sena Salgado, de 50 anos, já contou com o apoio do microcrédito seis vezes, a primeira foi em 2010. De lá pra cá, o feirante do Porto do Açaí, não só ampliou o negócio na feira, como expandiu para um novo ponto perto de sua casa.

“Sem o empréstimo eu não ia conseguir nada disso, agradeço muito por essa oportunidade, porque foi o que fez o meu empreendimento crescer”, disse Roque, que, durante o evento, recebeu ainda a certificação de “Empreendedor de Sucesso”, pois com o apoio do poder municipal conseguiu impulsionar seu pequeno negócio ao longo dos últimos anos.

As qualificações oferecidas pelo Fundo Ver-o-Sol contam com a parceria do Serviço Nacional do Comércio (Senac),  Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), do Centro Universitário do Pará (Cesupa) e da Universidade Federal Rural do Pará (Ufra).

Comentários