Emater participa em Brasília do Prêmio Mulher Empreendedora de Negócios

A cerimônia de entrega do Prêmio Sebrae Mulher Empreendedora de Negócios Rurais 2017 ocorreu nesta segunda-feira (13), no Hotel San Marco, em Brasília (Foto: Secom)

A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater) foi uma das finalistas do 13º Prêmio Nacional Sebrae “Mulher Empreendedora de Negócios Rurais 2017”, na categoria produtora rural. A cerimônia de premiação ocorreu nesta segunda-feira (13), no salão principal do Hotel San Marco, em Brasília.

Assistida há sete anos pela Emater, a produtora rural de Itaituba Cleane Martins não ganhou o prêmio principal, mas nem por isso saiu decepcionada da premiação. “Estar aqui, entre tantas mulheres empreendedoras de todo o Brasil, disputando esse prêmio para mim já foi uma grande vitória”, disse. Mais de 3,5 mil empreendedoras de todo o País se inscreveram e foram selecionadas nas etapas estadual e nacional. A banca de juízes da fase nacional faz a análise e avaliação das candidatas vencedoras da etapa estadual, das melhores práticas de gestão e empreendedorismo.

A representante paraense é da comunidade Igarapé Preto, de Itaituba, no sudoeste paraense. Cleane implantou uma agroindústria de processamento de mandioca, projeto que ajudou a melhorar a renda e proporcionou benefícios a muitos outros empreendedores locais. A lida com o cultivo da mandioca começou com os pais. Atualmente, a farinha é reconhecida em toda a região como produto diferenciado e de alta qualidade. No decorrer do tempo, o produto agregou mais valor, até chegar à marca Pingos de Ouro, que inclui uma tapiocaria, famosa em Itaituba por ser possuidora de mais 70 diversidades de sabores.

“A tapiocaria é um bom resultado do trabalho que eu desenvolvo no campo. Tenho orgulho dela”, disse Cleane. “O que gosto mesmo é da roça, de calçar as botas e ir para a lida na plantação, acompanhar o processo de produção da mandioca do começo ao fim”, completou. A relação da produtora com a Emater-PA passa por uma variedade de atividades, em múltiplos contextos de ação, do plantio à comercialização e pela facilitação de acesso ao crédito. ”Sempre fui bem acompanhada pela Emater”.

A diretora técnica nacional do Sebrae, Maristela França, ressaltou a presença do Pará na premiação. “As empreendedoras paraenses sempre estão presentes na premiação, sempre têm algo a mostrar”, disse. “E quando vemos uma agricultora, uma mulher do campo, sendo tão bem assistida pelo poder governamental, que ajuda e incentiva esse empreendedorismo, ficamos muito felizes”, concluiu.

Categorias

O Prêmio Nacional Sebrae “Mulher Empreendedora de Negócios Rurais 2017” visa o reconhecimento da trajetória de vida das mulheres, e de suas histórias de lutas e de conquistas. O prêmio é uma parceria entre o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), a Secretaria de Políticas para as Mulheres e a Federação das Associações de Mulheres de Negócios e Profissionais do Brasil, com apoio técnico da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ).

Todas as 81 empreendedoras vencedoras nas etapas estaduais tiveram direito à viagem para participar do evento da etapa nacional em Brasília. O concurso ainda inclui viagem para capacitação em território nacional para as ganhadoras do troféu ouro, prata e bronze e selo de vencedora nacional, explicitando o ciclo.

 O prêmio é dividido em três categorias:

- Pequenos Negócios: microempresas e empresas de pequeno porte, e que estejam estabelecidas formalmente há pelo menos um ano;

- Produtor Rural: mulheres que explorem atividades agrícolas, pecuárias ou pesqueiras permitindo uma primeira transformação mas que sejam mantidas as características do produto in natura, como a produção de geleias, doces em compotas, produtos em conserva, goma de tapioca, leite, café, etc., e que estejam estabelecidas formalmente a, no mínimo, um ano;

- Microempreendedora Individual: mulheres que trabalhem por conta própria que tenha o empreendimento legalizado, com faturamento máximo anual de até R$ 60 mil por ano, e não tenham participação em outra empresa como sócias ou titulares, e tenham até um(a) empregado(a) contratado(a) que receba o salário mínimo, ou o piso da categoria.

Comentários