Atleta da rede municipal participa das Paralimpíadas Escolares do Brasil

Maria treinou com afinco e agora está confiante que pode trazer medalha de ouro para o Pará (Foto: Acom/Semec)

Superar as próprias limitações é o que motiva a estudante Maria de Fátima Araújo, 14, que se prepara para representar a capital paraense na 11ª edição das Paralimpíadas Escolares, no Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro de São Paulo, no período de 21 a 24 de novembro. Aluna da rede municipal com deficiência física, ela vai competir na modalidade de atletismo, arremesso de peso e corridas de 200 e 400 metros.

Confiante, a estudante da Escola Municipal Walter Leite Caminha, no bairro Bengui, garante que uma grande vitória já foi alcançada, mas lutará pela medalha de ouro na competição. “Só o fato de ter sido destaque no campeonato paralímpico estadual e ter chegado até aqui já é uma grande conquista, mas sei que sou capaz de levar a Belém uma das medalhas”, afirma Maria.

Considerada a maior competição escolar do mundo, este ano, as Paralimpíadas Escolares reúnem 944 atletas de todo o Brasil, com idades entre 12 a 17 anos e algum tipo de deficiência, seja visual, intelectual ou física. São disputadas dez modalidades como o futebol de 5 (para cegos), basquete em cadeira de rodas no formato 3x3, bocha, futebol de 7 para crianças com paralisia cerebral, judô, natação, tênis de mesa, tênis em cadeira de rodas, além do atletismo e outros.

Os três primeiros colocados em todas as modalidades terão direito ao Bolsa Atleta nível escolar, do Ministério do Esporte. A seleção ocorre por meio de votação entre técnicos e árbitros das respectivas modalidades.

Apesar do número grande de bons atletas do Brasil inteiro, Maria Araújo, diz ter se preparado bastante para a disputa que promete ser acirrada. Já em São Paulo, ela aproveita a oportunidade para agradecer aos educadores do Projeto Talentos Paralímpicos, onde desenvolveu o talento no esporte.

“Eu nunca esperei que um dia correria competindo e que conseguiria me destacar dentre tantos atletas”, diz. “Desde que comecei a participar do ‘Talentos’, minha vida tomou outro rumo, e agora estou aqui muito feliz por poder competir novamente, depois de ganhar em no mês de junho uma medalha de ouro na corrida e de prata no arremesso de peso, na etapa estadual das Paralímpiadas Escolares”, comemora.

Projeto Talentos Paralímpicos – Promovido desde 2014 pela Secretaria Municipal de Educação (Semec), por meio do Centro de Referência em Inclusão Educacional Gabriel Lima Mendes - CRIE, o Projeto Talentos Paralímpicos, consiste em desenvolver os aspectos psíquicos, motor e afetivo das crianças e adolescentes com deficiência por meio do atletismo. As atividades são desenvolvidas por fisioterapeutas e seguem os movimentos do programa de miniatletismo, da Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF). As ações baseiam-se na triagem dos alunos, treinamento semanal, orientações aos pais sobre a importância da realização de atividade física para a inclusão escolar, e participação em competições esportivas. 

Avanço – Desde que foi lançado, o projeto já revelou talentos e atletas na modalidade do atletismo, que inclusive, disputam e já se destacam em campeonatos a nível estadual e nacional. Em sua primeira participação em eventos esportivos, em 2014, o Talentos Paralímpicos alcançou 11 medalhas, sendo 9 de ouro, uma de prata e uma de bronze. Em 2015, a estudante com paralisia cerebral Adriana dos Santos Almeida, de 14 anos,  se destacou devido ao bom desempenho, e foi uma das quatro brasileiras escolhidas para participar da Conferência IDA (International Disability Alliance) durante a reunião Latino-americana “Novas vozes, novos desafios” pelo Desenvolvimento Inclusivo, em São Paulo.

No mesmo ano, Adriana, conquistou ouro na prova dos 100 metros rasos, no salto em distância e com uma diferença de apenas dois centímetros, ficou com a prata na prova do arremesso de peso, alcançando a distância de 2 metros e 54 centímetros, nas Paralimpíadas Escolares do Pará. Os alunos com deficiência intelectual Aline Batista e Elias Nascimento também obtiveram boas colocações na competição. Aline ficou com o quarto lugar no arremesso de peso e Elias se destacou nas provas de 100 metros e salto em distância.

“Estamos muito felizes com esse retorno tão positivo do projeto. Nossos alunos mostram superação, competência e hoje dão bons exemplos de que não existe o impossível quando a vontade de vencer é maior”, pontuou a Coordenadora do Crie, Denise Correa.

Comentários