Governo dialoga com representantes de sindicatos e associações de servidores

Gestores estaduais e representantes dos sindicatos e associações de servidores da área de segurança pública começaram as negociações sobre a data-base de 2018 (Foto: Elielson Modesto / Ascom Segup)

Para tratar sobre a data-base 2018 da categoria, na manhã desta quarta-feira (11) representantes dos sindicatos e associações da área de segurança foram recebidos pelo secretário de Estado de Segurança Pública e Defesa Social, Luiz Fernandes, pela secretária de Administração, Alice Viana, pelo procurador do Estado, Idemar Perachi, e pelo comandante-geral da Polícia Militar, Hilton Benigno.

Alice Viana voltou a enfatizar que, mesmo diante da crise econômica que ainda afeta o País, o Governo do Pará reajustará em 3% os salários dos servidores ativos e inativos, incluindo os da área de segurança pública. Ela também informou que o valor do auxílio-alimentação será alterado somente para os praças da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros, que receberão um reajuste de R$ 200,00, passando o auxílio dos atuais R$ 700,00 para R$ 900,00, o que representa 28,5% de aumento em relação ao valor anterior.

“O  percentual de reajuste foi definido pela reposição da inflação no período de abril de 2017 a março de 2018, que foi de 2,89%. A legislação eleitoral também veda em ano de eleições, como 2018, reajuste acima do patamar registrado pela inflação. E a legislação vem sendo seguida à risca pelo Governo do Pará", reiterou Alice Viana.

Ainda de acordo com a secretária de Administração, o reajuste tem um impacto de R$ 27 milhões na folha de pagamento do Estado, e já será repassado aos servidores nos salários de abril.

Alice Viana explicou que "com o levantamento da Secretaria Estadual de Fazenda (Sefa) do comportamento de receita do mês de março, fizemos uma análise cuidadosa da nossa capacidade no comprometimento de gastos, e aumentar mais o valor desse reajuste comprometeria o percentual que temos para gastos com pessoal da receita corrente líquida, que é de 45,08%. Temos priorizado nos últimos anos, a elevação da remuneração e a concessão de reajustes que garantiram a reposição inflacionária do período. Não há perdas acumuladas de janeiro de 2011 até abril de 2018, já que sempre os reajustes foram com ganhos reais. Temos priorizado o pagamento em dia e não realizamos parcelamento de salários, como ocorreu em outros lugares".

O secretário Luiz Fernandes também destacou o esforço da gestão estadual em manter o pagamento do funcionalismo em dia, e já marcou reuniões específicas com as categorias da área de segurança.

Comentários