Retirada de imóveis do Tucunduba reduz alagamentos em vias da Terra Firme

A expectativa é que com a limpeza de mais um trecho do canal, mais moradores sejam beneficiados com a solução dos alagamentos. (Foto: Oswaldo Forte)

A retirada de mais de 300 casas construídas dentro do canal Tucunduba, entre as passagens Vilhena e Santa Helena, no bairro da Terra Firme, possibilitou o escoamento da água da chuva e reduziu significativamente o alagamento em vias próximas. O trabalho de desobstrução que está sendo realizado pela Prefeitura de Belém beneficia diretamente famílias que eram frequentemente afetadas pelo transbordamento do canal em momentos de chuva.

O autônomo José Edilson da Silva, 46 anos, diz que perdeu as contas das vezes que teve a casa atingida pelo alagamento - que também bloqueava a entrada e saída dos moradores da passagem Vilhena. Na manhã desta quinta-feira, 26, ele utilizava um pedaço de madeira para a retirada do lixo trazido pela água.

“A minha casa ficava dentro do canal. Recebi indenização, minha casa foi desmontada e agora estou morando na Passagem Nossa Senhora das Graças”, contou o morador. “Agora dá pra fazer a limpeza, mas, antes, tudo que vinha (de lixo trazido pela água) ficava engatado abaixo das casas e fazia a água subir”, conta, comemorando que depois da obra, a água já escoa com mais velocidade e as ruas não alagam mais.

Desde a semana passada, a Prefeitura de Belém, por meio da Secretaria Municipal de Saneamento (Sesan), trabalha na limpeza de um novo trecho do Tucunduba, entre Av. Gentil e Passagem Santa Helena, onde aproximadamente 170 famílias foram remanejadas. A expectativa é que com a limpeza de mais um trecho do canal, mais moradores sejam beneficiados com a solução dos alagamentos.

A aposentada Maria Helena Monteiro, 64 anos, moradora da Passagem Santa Helena, na Terra Firme, se organiza para desocupar a casa construída às margens do Tucunduba já nos próximos dias, para que o imóvel possa ser demolido.  

“Me deram a opção de escolher uma casa dentro de um conjunto construído pela Prefeitura ou uma indenização em dinheiro. Escolhi pegar o dinheiro e agora eu estou vendo com meus filhos um local aqui mesmo na Terra Firme pra gente se mudar”, conta a aposentada. “Tem muita melhoria aqui no bairro com essa obra. Os problemas de alagamento de antigamente já não acontecem mais. Acho que vale a pena ficar por aqui mesmo”, considera.  

Segundo o secretário da Sesan, Claudio Mercês, uma equipe fixa de limpeza atua no canal Tucunduba desde o final do ano passado, retirando o lixo para liberar a passagem da água. “Desde o mês passado, aliado aos serviços de limpeza que vinham sendo executados, estamos trabalhando na retirada dos imóveis desocupados pelas famílias que foram remanejadas. Esta ação favorece o escoamento da água no canal Tucunduba, o que já está sendo percebido pelos moradores da área”, pontuou o secretário.

Obra de saneamento

Considerada a segunda maior bacia hidrográfica da capital, o Tucunduba atravessa quatro bairros: Guamá, Terra Firme, Canudos e Marco. As obras que estão sendo executadas pelo Governo do Estado, no trecho de 820 metros entre as Ruas São Domingos e Mundurucus, nos bairros do Guamá e Terra Firme, serão entregues ainda este ano. A intervenção incluiu o alargamento do canal – com a drenagem, dragagem e limpeza –, instalação de tubulação de esgoto, construção de calçadas, ciclo faixas, muretas de proteção, três pontes de concreto e uma passarela metálica.

Nesta etapa, 149 famílias que ocupavam irregularmente o leito e as margens do canal foram cadastradas, sendo que 64 foram remanejadas para o residencial “Viver Melhor Primavera” construído pela Prefeitura, no bairro do Tapanã. O restante das famílias optou por receber indenização.

No cronograma de serviços da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas (Sedop), o projeto de macrodrenagem da bacia do Tucunduba contempla ainda dois trechos: trecho 02 - já licitado - da Rua dos Mundurucus até a Passagem 2 de Junho. E o trecho 03 (que ainda será licitado) - da Passagem 2 de Junho até a Rua da Vileta. Com a conclusão das obras, serão beneficiados 250 mil moradores dos bairros de Canudos, Guamá, Terra Firme e Marco. O investimento total é estimado em R$ 121,8 milhões.

Comentários