Sespa estende ações de prevenção à raiva humana em Melgaço

Técnicos da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) permanecem até o início de julho, com o trabalho de investigação e prevenção à raiva humana no município de Melgaço, no Arquipélago do Marajó. (Foto: ASCOM SESPA)

Técnicos da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) permanecem até o início de julho, com o trabalho de investigação e prevenção à raiva humana no município de Melgaço, no Arquipélago do Marajó. A equipe é composta por profissionais do Departamento Estadual de Endemias e de Vigilância em Saúde da Sespa, além de profissionais da Coordenação Estadual de Zoonoses do 8º Centro Regional de Saúde (CRS). 

Até o momento foram vacinadas aproximadamente 2.500 pessoas na localidade ao longo do rio Laguna, a 70 km da sede de Melgaço. No total, 5.400 doses de vacinas foram encaminhadas e entregues 700 mosquiteiros para a proteção dessa população.

Entre as ações realizadas estão à investigação epidemiológica, visita técnica nas residências e o controle da raiva animal, com a captura seletiva de morcegos. Também é feita a pesquisa do vírus rábico em animais e a busca ativa de casos animais. Mais de 300 cães receberam a vacina e cerca de 90 gatos também foram vacinados.

Sete casos de raiva humana foram confirmados laboratorialmente pelo Instituto Evandro Chagas (IEC) e pelo Instituto Pasteur (sediado em São Paulo), entre os 14 notificados com a doença em Melgaço. Destas sete pessoas com diagnóstico confirmado, seis morreram e uma permanece internada em estado grave - no Hospital Regional de Breves, no Marajó. O paciente tem quadro semelhante aos demais, como febre, dispneia, cefaleia, dor abdominal e sinais neurológicos - paralisia flácida ascendente, convulsão, disfagia (dificuldade de deglutir), desorientação, hidrofobia e hiperacusia (sensibilidade a sons, principalmente agudos). No total dos notificados, 11 pessoas foram a óbito.

 

Comentários