Credlivro atrai servidor público para a Feira do Livro

Os professores da Escola Estadual Agostinho Moraes acordaram mais cedo para participar da 22ª edição da Feira Pan-Amazônica do Livro, uma das maiores do Brasil. (Foto: Eunice Pinto / Divulgação)

Os professores da Escola Estadual Agostinho Moraes acordaram mais cedo para participar da 22ª edição da Feira Pan-Amazônica do Livro, uma das maiores do Brasil. Incentivados pelo programa Credlivro, que beneficia servidores da rede pública de ensino com bônus destinado à aquisição de livros, a caravana partiu do município de Inhangapi, no nordeste paraense e chegou à convenção literária com o objetivo de aumentar o acervo de material didático e inspirações que podem auxiliar dentro de sala de aula. 

“Desde que ganhamos o auxílio, passei a comprar mais livros. Tanto para minha sala de aula quanto para a minha filha, que está na fase de alfabetização, porque busco incentivá-la à leitura”, conta a professora de matemática, Denize Batista. A servidora trouxe a filha Alicia, de 3 anos, para aproveitar o espaço dedicado ao livro.  Segundo os dados apresentados pela Secretária de Estado de Educação (Seduc), em 2017, aproximadamente 70% dos professores usaram o Credlivro em suas compras. 

O sistema de benefício constitui um instrumento do Programa Especial de Formação Continuada, destinado à aquisição de livros na Feira Pan-Amazônica do Livro e nos Salões de Livro. O Programa tem a finalidade de aprimorar o conhecimento pessoal e profissional dos servidores efetivos da Seduc.

Em 2018 ano, a Secretaria disponibilizou 3 milhões em recursos com o Credlivro, com a meta de beneficiar cerca de 15 mil servidores. Todos os 219 estande da Feira foram cadastrados pelo Banpará, entretanto fica a critério de cada editora aderir ou não ao programa. 

O paulista Alexandre Rodrigues participa pela quarta vez da Feira Pan-Amazônica do Livro, com a editora Promolivros, e reconhece o aumento nas vendas promovido pelo incentivo estatal. “O Credlivro é responsável por 50% das nossas vendas. Essa aqui é a melhor feira pra gente, sem dúvida”, afirmou Alexandre, coordenador do estande. 

O Banpará é o intermediário no processo de acesso do crédito. No caso de algum problema, como perda de senha, cartão avariado ou conta em outro banco, há um estande, no primeiro andar do Hangar, e uma sala no segundo andar, dedicada somente a esse atendimento, de 10h às 22h.  “O plano é oportunizar o benefício para todos os servidores do estado contemplados pela Lei 7.775”, explica a coordenadora do Sistema Estadual de Bibliotecas (Sieb), Arilene Piedade. Além da Feira Pan-Amazônica do Livro, em Belém, esse ano também foi realizado o “Salão do Livro Carajás”, em Marabá, e outro evento literário nesses moldes será realizado em Santarém. “Porém, caso o servidor não esteja próximo dessas localidades, ele pode fazer uma procuração, reconhecida em cartório, autorizando alguém retirar o benefício”, alerta a coordenadora do Sieb.

Para quem mora em cidades distantes de onde ocorrem a Feira Pan-Amazônica do Livro e os Salões do Livro, a opção é fazer como a diretora da Escola Estadual Agostinho Moraes de Inhanguapí, Antônia Eliana Nogueira, que organizou uma excursão de ônibus para trazer professores e funcionários da escola à capital. “Isso é um incentivo para que eles tenham a oportunidade de acesso a material didático para a melhoria da qualidade de ensino”, diz Eliana.

Serviço: A 22ª Feira Pan-Amazônica do Livro, até o dia 10, no Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, de 8 às 22 horas. A entrada é franca. Confira a programação completa do evento em feiradolivro.pa.gov.br

 

Comentários