Hospitais públicos do Pará destacam rotinas sustentáveis durante mês do meio ambiente

Além de referência no atendimento aos usuários de saúde pública no Pará, os hospitais Jean Bitar (HJB), em Belém; Regional do Marajó (HRPM), em Breves, e Regional Público do Leste (HRPL), em Paragominas, no nordeste paraense, também são exemplos de gestão que respeita a sustentabilidade no Estado. Dois deles, contam com hortas orgânicas, garantindo uma dieta balanceada para colaboradores, usuários e acompanhantes.

No HRPM, por exemplo, cerca de 180m² do terreno é ocupado por uma horta orgânica que garante os ingredientes utilizados para preparar as refeições produzidas, atendendo orientação médica, com dietas que contribuem para a melhoria do estado de saúde do paciente. Essa alimentação conta com legumes 100% orgânicos extraídos da horta própria do hospital. Além da alimentação saudável, essa iniciativa garante também uma boa contribuição na preservação do meio ambiente.

Segundo a nutricionista do hospital, Simone Yukiko, a alimentação saudável e individualizada é essencial para garantir todos os nutrientes que o corpo precisa, principalmente, na recuperação de uma pessoa internada, pois muitas doenças podem aumentar a demanda nutricional. “Além de fortalecer o sistema imunológico, refeições com nutrientes adequados e equilibrados aceleram a recuperação do paciente”, explica.

De janeiro a maio deste ano, entre almoço e jantar, já foram servidas mais de 40 mil refeições, dentro dos padrões de qualidade de forma sustentável, desde a sua preparação. De acordo com a nutricionista, essa prática gera uma economia média de dois mil e quinhentos reais por ano, apenas com folhosos do tipo couve, cheiro verde, chicória regional e do sul e jerimum regional.

A equipe do Hospital Regional em Paragominas, no nordeste paraense, tem melhorado ainda mais a alimentação servida aos colaboradores, usuários e acompanhantes, com a utilização de hortaliças frescas e 100% naturais cultivadas na horta própria, estrategicamente construída nas pequenas áreas do hospital e em espaços suspensos, de onde são retiradas diariamente cerca de 15 maços de cheiro verde, por exemplo.

Futuramente a horta atenderá as necessidades da nutrição em todo seu potencial, com as folhagens como cheiro verde, couve manteiga, cebolinha e repolho sendo totalmente colhidas das áreas do hospital. Estes itens estão entre os mais consumidos no cardápio do grupo das hortifrutícolas, o que representa o consumo mensal estimado em 120 maços de alface, cerca de 50 maços de couve manteiga e mais de 50 maços de cheiro verde (coentro).

Reconhecimento

Outro ponto de destaque nas rotinas sustentáveis entre os hospitais Público do Marajó (HRPM), do Leste (HRPL) e o Hospital Geral de Tailândia (HGT) foi a conquista do “Selo de Ouro”, promovido pelo Centro de Estudos em Sustentabilidade (GVces), da Fundação Getúlio Vargas, destinado às empresas e instituições que possuem inventários de emissão de gases de efeito estufa.

Além do selo, o HRPL, HGT e o Hospital Jean Bitar (HJB), em Belém, agregam também o selo Green Kitchen, que ratifica a segurança e qualidade na produção da alimentação servida aos colaboradores, usuários e acompanhantes. A certificação à cozinha dessas unidades foi concedida pelo programa da Fundação para a Pesquisa em Arquitetura e Ambiente, indicado para restaurantes que estão aprimorando o seu padrão de qualidade em benefício de seus usuários.

A preservação do meio ambiente faz parte das boas práticas ambientais do Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH), responsável por administrar esses hospitais estaduais, em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

Comentários