Feira Pan-Amazônica do Livro chega ao final trazendo extensa programação neste domingo

Durante uma hora e meia, o professor Benedito Fialho Machado utilizou truques "mágicos" e brincadeiras para provar que a Matemática, além de ter diversas funções e estar presente na vida de todas as pessoas, também pode ter um aprendizado divertido e prazeroso. (Foto: FERNANDO NOBRE/ASCOM SEDUC)

Teatro, show de salsa, contação de história, palestras, poesia, mitos alemães e brasileiros, com destaque para as sereias, e mostra de cinema vão marcar a programação deste domingo na XXII Feira Pan-Amazônica do Livro. Além dos 219 estandes, 450 editores e 750 mil exemplares de livros fizeram lotar o Hangar – Convenções e Feiras da Amazônia nestes 10 dias do maior evento literário da região e terceira feira de livros do Brasil.

Às 10 horas da manhã do domingo o show infantil “O Cordão dos Bichos” inicia a programação infantil com o grupo Filhos da Terra. Também a partir das 10h30 o público infantil terá contação de histórias o “Baú dos Saberes”, com Rosiane Gonzaga Garcia.

O mito das sereias será tema de palestra organizada pela Casa de Estudos Germânicos. A pesquisadora Adriane Oliveira irá falar sobre a misteriosa figura das sereias, discutir acerca de sua origem na Europa e como se deu a sua chegada até o Brasil. O evento é destinado a alunos e professores da área da Literatura e também aos demais interessados na temática. A palestra inicia às 10h30 e 11h30 na sala multiuso 05.

Também para o público adulto, está programada a palestra “O caminho para resultados extraordinários através do coaching”, com os palestrantes Helra e Wilame Gonçalves. Às 16h30 é a vez do “Roda Palavra”, na sala multiuso 7, com muita poesia. As obras abordadas serão “À Trois”, com a poeta Nathalia Cruz; “Poema Pequeno”, com Laura Nogueira e “Os dias & Outros Poemas”, com Alfredo Garcia. O “Roda Palavra” é organizado pela Fundação Cultural do Pará.

O domingo também terá sessão de cinema às 15h, com o filme “A terra e a sombra”, drama colombiano com direção de César Augusto Acevedo. O longa foi vencedor do Grande Prêmio do Júri no Festival de Cannes 2015. Rodado na Colômbia e coproduzido por mais quatro países, o Brasil inclusive, o longa-metragem acompanha uma família humilde, que vive em uma casa remota, próxima à plantação de cana de açúcar. É lá que um homem, com sérios problemas de saúde, mal consegue sair do quarto, tamanha sua fraqueza.

Às 18h será apresentado o longa “Karen chora no ônibus”, com direção de Gabriel Rojas Veras. Após dez anos de casamento, Karen (Ángela Carrizosa Aparicio) se dá conta de que a união foi um erro que custou sua juventude. Disposta a recuperar o tempo perdido, ela pede o divórcio e decide começar uma nova vida no centro de Bogotá, mas as dificuldades logo a fazem repensar suas recentes escolhas.

O dia termina com o show "Salsa com Jambu" com Bruno Benitez, Mestre Solano e Grupo Mundo Mambo, na I Mostra Pan-Amazônica de Música, às 20h30.

Programação de sábado

O sábado contou com a terceira edição do Encontro de Cordelistas da Amazônia, que destacou a importância da participação feminina na literatura de cordel. O Encontro teve lugar no auditório Dalcídio Jurandir, às 10h. Ainda na manhã deste sábado, o wokshop “O lúdico como estratégia de ensino e aprendizagem de uma língua estrangeira”, organizado pela Casa de Estudos Germânicos da Universidade Federal do Pará (UFPA), foi tema de palestra ministrada pela professora Danielle Bessa, que apresentou jogos, bingos e diversas dinâmicas que podem ser propostas na sala de aula como ajuda ao ensino-aprendizagem.

O projeto Biizu encerrou sua participação na 22ª Feira Pan-Amazônica do Livro com as oficinas de Escrita Criativa e Desenho e Quadrinhos, ministradas pelo instrutor Édson Redivan. Segundo o instrutor, as técnicas aplicadas nestas oficinas são partes essenciais na produção de um livro em quadrinhos. A mostra de cinema colombiano apresentou os filmes “A terra e o Sombra” e “Karen Chora no ônibus”. Os dois serão reexibidos na programação deste domingo.

Matemática e mágica

Um dos pontos altos da programação foi o show Matemágico, do doutor em Ensino da Matemática, lotada no Núcleo de Tecnologia Educacional (NTE) da Secretaria de Estado de Educação (Seduc). Durante uma hora e meia, o professor Benedito Fialho Machado utilizou truques "mágicos" e brincadeiras para provar que a Matemática, além de ter diversas funções e estar presente na vida de todas as pessoas, também pode ter um aprendizado divertido e prazeroso.

Lançando mão dos recursos que todo mestre do ilusionismo usa nos palcos, inclusive, assistentes de palco e a instigante cartola, cartas de baralho, espadas, cubos, peças de dominó, mas também quadro e pincel, como um professor em salas de aula, o Matemágico, divertiu o público com truques e brincadeiras recheadas de números e resultados exatos, próprios da Ciência Exata. "É um trabalho de pesquisa, que faço desde 2001, quando iniciei o projeto. Lança mão de leitura de livros antigos e também de muita pesquisa para adequar os truques mágicos das brincadeiras aos resultados matemáticos exatos", disse.

Os resultados dos truques intrigaram a estudante do 5º ano do Ensino Fundamental do Berço de Belém, Jamille Santos, 10 anos, que assistiu a primeira apresentação e, não se contentou, "saímos para visitar outros estandes, mas pedi para minha mãe voltar para ver novamente os truques do Matemágico, e até agora estou pensativa, como ele faz esses truques. Qual o segredo para acertar sempre os resultados?", questionou.

Benedito Fialho é pedagogo concursado da Seduc há 32 anos. Todo trabalho que faz nas escolas é voluntário e sem fins lucrativos. Maria do Socorro Maués, mãe de Jamille, disse que a filha, que tem a Matemática como disciplina favorita, ficou mais encantada ainda após o show do Matemágico. "É uma iniciativa excelente, que atraiu público de todas as idades, principalmente crianças, que com certeza, nunca mais olharão a Matemática como um bicho papão, mas algo divertido", ressaltou.

Patrono

As homenagens ao escritor paraense Age de Carvalho, patrono da XXII Feira Pan-Amazônica do Livro prosseguiram na noite deste sábado com o lançamento do livro “Age de Carvalho: Todavida, todavia. Poesia, jornalismo e design gráfico desde 1980”, organizado pelo próprio autor e pela professora e pesquisadora da UFPA, Mayara Ribeiro Guimarães. O livro é uma antologia pessoal de todos os livros e poemas publicados pelo autor, além de ensaios e papéis pessoais de natureza variada, como cadernos de trabalho, cartas e fotografias.

A cantora Nana Reis apresentou o show Pará Latino encerrando a programação do sábado no palco do auditório Benedito Nunes. Com participação do cantor Jeff Moraes, a afrolatinidade amazônica esteve presente no oitavo dia da mostra Pan-Amazônica de Música.

Colaboração - Kátia Aguiar - Ascom Seduc

Comentários