Centro de Reabilitação e Hemopa incentivam a doação de sangue em Belém

A assistente social da Fundação Hemopa, Katilene Abreu (c), ministrou a palestra sobre a importância da doação voluntária de sangue (Foto: ASCOM / INDSH)

As ações da Campanha Junho Vermelho, de incentivo à doação de sangue, prosseguem no Centro Integrado de Inclusão e Reabilitação (CIIR), que firmou parceria com a Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa) para viabilizar a campanha de doação por meio do Projeto Caravana Solidária, que transportará, em um micro-ônibus, colaboradores do CIIR para coleta de sangue no próximo dia 4 (quarta-feira), às 14h30, na sede do hemocentro, em Belém.

Antecedendo a coleta de sangue de colaboradores e familiares, a parceria já incluiu ações de sensibilização, com distribuição de material educativo e laços vermelhos, além da palestra ministrada pela assistente social do Hemopa, Katilene Abreu. "Minha intenção não é apenas falar da doação de sangue. Minha intenção é tocar no coração de vocês. O nome da minha palestra é amor", disse ela à plateia, no auditório do CIIR.

Durante a palestra, ela destacou os princípios da doação, curiosidades e, principalmente, a importância do ato de doar sangue. "Se o ser humano não acordar com o sentimento de querer fazer bem ao próximo, não vale a pena acordar", destacou.

Responsabilidade social - A atividade faz parte da programação de eventos de responsabilidade social do Grupo de Trabalho de Humanização (GTH), do CIIR, em sua primeira parceria com a Fundação Hemopa. "Sabemos que muitas vidas dependem desse simples gesto, e queremos disseminar essa cultura no nosso Centro, que recentemente iniciou suas atividades. A ideia é fortalecer essa união, para que tenhamos ações ao longo do ano e assim contribuir para um estoque satisfatório", ressaltou a coordenadora do GTH, Thalita Garcia, ao falar sobre a importância da adesão de outras unidades de saúde,  principalmente aquelas que têm grande demanda de transfusão de sangue, para não prejudicar o atendimento.

Segundo o diretor executivo do CIIR, José Neto, as pessoas precisam agir como agentes multiplicadores da doação de sangue. "Cada vez mais precisamos nos doar um ao outro. É o que falamos diariamente no nosso Centro: tudo parte do se importar. Precisávamos ter essa conversa para mostrarmos isso a nossa equipe. Precisamos ter a noção do quanto podemos ajudar. Uma única doação pode salvar até quatro vidas", afirmou.

Para doar sangue basta ter entre 16 e 69 anos (menores devem estar acompanhados do responsável legal), ter mais de 50 kg, estar bem de saúde e portar documento de identificação oficial, original e com foto. Homens podem doar com intervalo de dois meses e mulheres, a cada três meses.

Comentários