Tradicional festa no Bosque Rodrigues Alves encerra as atividades do mês de junho

Crianças participaram da programação com danças regionais. (Foto: Alessandra Serrão - NID/Comus)

A manhã deste sábado, 30, no Bosque Rodrigues Alves Jardim Zoobotânico da Amazônia, foi bastante animada, durante a tradicional festa junina do espaço. O local escolhido foi a Fonte dos Intendentes, que recebeu uma decoração muito colorida, como é típica desta época.

Os visitantes participaram das muitas atividades organizadas pelos funcionários do Bosque, com atrações, como a dança do boizinho, corrida de saco, ‘Dança do Boto’, corrida do ovo, brincadeira da maçã, a peça teatral Fuga do Boi Nonô, brincadeira do chapéu e do quebra pote e a dança do banzeiro, sob o comando de Aluízio Freitas, coordenador das atividades.

Aluízio, além de exercer o papel de mestre de cerimônias das apresentações, também participava das danças, como foi no caso da ‘dança do boto’, que foi apresentada por senhoras mais idosas, integrantes do Centro de Referência em Assistência Social (Cras) da Pedreira.

A programação iniciou com um cortejo pelo Bosque, conduzido pelos integrantes dos grupos Boi Catiguria, do bairro do Canudos, e dos Bois Alegria e Nonô, do bairro da Pedreira, que convidaram os visitantes para participar da festa.

Família - O casal Joyce e Jorge Okamoto, levou o filho, Theo, de 9 anos, para passear no Bosque e assistir às apresentações. O menino, mesmo em uma cadeira de rodas, se alegrou muito com a apresentação da Dança do Boizinho.

“Moramos aqui mesmo no bairro do Marco e sempre trazemos o nosso filho aqui, porque para ele é muito importante ter esse contato com a natureza. Ele tem facilidade de reagir a música e dança, porque vê essas atividades na escola dele, então vir aqui no Bosque e proporcionar essa alegria a ele é muito importante para todos nós”, contou Joyce.

A senhora Conceição Macedo, de 78 anos, moradora do bairro do Icuí Guajará, frequenta o Centro de Convivência João Sampaio, e era uma das mais animadas da festa, na qual estava acompanhada da neta de 7 anos. Vestida à caráter, ela contava a todos que seu personagem era a Catirina, personagem famoso dos grupos do boi bumbá.     

“Tive oito filhos e não tive muito tempo de viver a minha vida. Quando meu esposo faleceu e meus filhos estavam todos criados, vi que era o momento de começar a fazer as atividades que gosto desde jovem, que é cantar e dançar. No Centro (João Sampaio), eu canto, danço e faço teatro. Minha vida mudou totalmente e agora posso mostrar essa minha veia artística”, mostrou dona Conceição.

As atividades foram realizadas durante toda manhã e seguiu até ao meio dia, com um banho de cheiro e correio ecológico.

Comentários