Área de reprodução de gaivota ganha apoio da Operação Verão

A área de desova das gaivotas também conta com a proteção da Associação de Surf e Proteção Ambiental de Salinópolis (Foto: Ascom Segup)

Cerca de 1.500 ovos de gaivota que começaram a desova em maio na Praia do Atalaia, em Salinópolis, no nordeste paraense, ganharam mais uma estratégia de proteção neste final de semana, com a instalação da Zona de Exclusão de Veículos Automotores, uma das inovações da Operação Verão 2018, realizada pela Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup).

Os ovos são protegidos pela Associação de Surf e Proteção Ambiental de Salinópolis, fundada em 2006 pelo morador Antônio Paulo da Conceição, com o objetivo de proteger áreas ambientais, e hoje conta com 70 surfistas associados.

Espaço ambiental - Localizado após a área conhecida como pedral, escolhida para prática de modalidades aquáticas, o santuário é cercado por bandeiras brancas para demarcar o espaço ambiental e impedir o acesso de curiosos, deixando os ovos mais seguros.

Com o objetivo de dar mais proteção ao santuário, a Segup inseriu o projeto de proteção da espécie na Operação Verão 2018, já que a área está incluída na Zona de Exclusão de Veículos Automotores, que impede a circulação de veículos na área depois do pedral, na Praia do Atalaia.

“A Zona de Exclusão, criada pelo Sistema de Segurança, vai proteger esse santuário de aves, porque entendemos que o nosso trabalho também envolve questões ambientais”, destacou o coronel André Cunha, secretário adjunto de Gestão Operacional e coordenador da Operação Verão. Ele pediu à população que não chegue perto dos ovos espalhados pela área, nem mesmo de quadriciclo.

Para Ronaldo Nóbrega, vice-presidente da Associação de Surf e Proteção Ambiental, o apoio da Segup é muito importante, porque além de oferecer proteção ao santuário reforça um projeto já realizado há muitos anos. (Texto: Yáskara Cavalcante/Ascom Segup).

Comentários