Serviço de nutrição ajuda pacientes do CAPS AD

Com um maço de capim marim nas mãos, a paciente H.B, 52, que faz tratamento no Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps AD) do município de Belém, relata o quanto se sente acolhida no Centro, ilustrando a diferença que o cuidado mais humanizado faz na evolução de um paciente com dependência química. Caprichosa, ela rega a horta do local e conta o motivo que a levou ao início do tratamento, apontando ainda o envolvimento com as atividades da unidade. O maço, ela colheu com as próprias mãos na horta do Caps e se orgulha em dizer que ajuda a cuidar de um espaço que ela gosta, e que isso faz a diferença na terapia.

“Quando cheguei aqui no Caps me disseram para participar do grupo da horta e como tenho hortinha em casa, pensei que ia apenas aprender a cultivar, não tinha ideia que isso tinha a ver com nutrição, mas gostei muito por causa de toda a dinâmica que isso envolve. Os dependentes químicos perdem a noção de se alimentar quando estão no vício e, a partir do momento que a nutricionista nos ensina a importância de se prestar atenção no que se come, dentro do pouco recurso que se tem, nós conseguimos fazer uma boa escolha”, explicou H.B, que hoje opta por participar de todas as atividades multidisciplinares do Centro, e, principalmente, em escolher uma alimentação mais saudável por entender o papel dessa escolha na evolução dela como paciente.


A nutricionista do Caps AD, Thais Granado, explica que o papel da nutrição dentro de um tratamento psicossocial é muito importante, por isso, a equipe do Centro, que é multidisciplinar, realiza diversas atividades educativas na unidade para envolver todos os pacientes. “A gente passou a trabalhar com eles as questões educativas. Embora muitas vezes eles estejam vivendo em situação de rua ou em condições financeiras desfavoráveis, a gente trabalha na perspectiva de que eles sejam capazes de escolher uma alimentação mais saudável e mais adequada”, explica a nutricionista, pontuando ainda as formas de atrair os usuários para que eles voltem a se sentir integrados ao meio social. “Aqui nós realizamos atividades educativas, dinâmicas, rodas de conversa e jogos, sempre focando no direito à saúde e à alimentação adequada, e passamos a construir uma horta onde a gente tem trabalhado nela ressaltando o cuidado com o alimento dentro da perspectiva, inclusive, de ser uma fonte de renda. Aqui nós temos essa concepção de que os pacientes podem levar essa experiência como uma possibilidade da vida deles, como uma fonte de renda, com um conhecimento que eles podem transmitir para as pessoas com quem eles têm contato”, ressaltou a especialista.

O paciente S.C, 43, que vive em situação de rua, sabe da importância de ser inserido nas atividades do Caps para avançar no tratamento e nos relacionamentos fora do Centro. “Essa Casa me ajuda muito, por isso, sempre faço questão de estar presente em todas as atividades. A de nutrição, por exemplo, nos ensina a selecionar o que vamos comer, e mesmo sem condições financeiras, a gente consegue fazer essa seleção dentro do que a gente tem”, pontuou S.C.


O Caps AD é uma unidade de saúde especializada em atender os dependentes de álcool e drogas na capital, dentro das diretrizes preconizadas pelo Ministério da Saúde, que tem por base o tratamento do paciente em liberdade, buscando sua reinserção social. Atualmente, há mais de 700 pacientes cumprindo plano terapêutico no Caps AD, e quase 300 em rotatividade. Para a gerente do Centro, Angélica Elmescany, um dos pontos mais abordados nas atividades práticas com os usuários é a questão da auto- estima. “Quando a gente tem oficina culinária, eles mesmos põem a mão na massa e provam aquilo que eles produziram, o que cria um clima muito bom porque eles gostam de se sentir úteis. Muitas vezes, na oficina culinária, eles usam o que eles mesmos plantam na horta e isso demonstra para eles o quanto são capazes de fazer”, frisou a gerente.

O papel da nutrição no cuidado em Saúde Mental no CAPS AD em Belém e mais outros três serviços da Sesma foram selecionados para apresentação no XXXIV Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde, que acontece de hoje, 25 a 27 de julho em Belém, no Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia.

Comentários