Mais de 70 mil alunos da educação municipal voltaram às aulas nesta quarta

Margareth Correa da Rocha acordou muito cedo na manhã desta quarta-feira, dia 1º. Professora recém-contratada, depois de passar por um processo seletivo da Secretaria Municipal de Educação (Semec), ela integra o grupo de cerca de 30 professores que atravessa de barco, todos os dias, para a região das ilhas de Belém para dar aulas às crianças da educação infantil e do ensino fundamental.

A nova professora estava ansiosa para conhecer os novos alunos. “Me acordei às 5 horas. A ansiedade era tanta que peguei um mototáxi para ir à parada do ônibus. Moro no bairro da Cabanagem e de lá até aqui no porto é necessário pegar dois ônibus. Mas estou muito feliz porque é uma fase nova na minha vida e acredito que será uma experiência maravilhosa”, aposta Margareth, uma das primeiras a chegar ao porto do Espaço Náutico, no bairro do Guamá, de onde partem as embarcações para as ilhas.

Mais de 70 mil alunos retornaram às aulas nesta quarta-feira, no primeiro dia de aula do segundo semestre nas escolas públicas municipais. Dezenas de escolas prepararam programações especiais para o retorno às aulas, com atividades lúdicas, apresentações culturais, palestras e músicas. As programações serão oferecidas até a próxima sexta-feira, 3, como uma forma de acolhimento e de dar boas-vindas às crianças.

Ilhas - A Prefeitura de Belém, por meio da Semec, fez a recuperação e reformou nas lanchas escolares, que servem para levar os professores e alunos ribeirinhos às escolas municipais. As lanchas passaram por uma revisão dos motores, foram pintadas e adesivadas, ficando aptas para o uso.

Três barcos e duas lanchas fazem o serviço de travessia para levar os professores de Belém à região das ilhas. São cinco Unidades Pedagógicas (UP) ou anexos, ligados à Escola Milton Monte, que funciona como referência e sede na ilha do Combu. Um dos barcos também leva professores à escola Nossa Senhora dos Navegantes, a UP que fica mais distante da capital paraense, localizada no bairro de Santana do Aurá.

Vanessa Costa Barbosa, assessora de Educação de Campo da Semec, explica que a garantia do transporte de Belém às ilhas, e vice-versa, é de suma importância para a qualidade de ensino oferecido aos alunos. “O município de Belém é o único, na Região Metropolitana, que oferece e garante o transporte dos professores até o local das aulas. Todos os dias os barcos e lanchas saem às 6h30 para que os profissionais cheguem às escolas antes dos alunos e possam recebê-los. Isso garante a qualidade do ensino e dos horários, para que não haja atrasos”, explicou Vanessa.

Belém - Em Belém, as aulas também foram retomadas nesta quarta-feira. Entre as unidades de ensino municipal, 35 tiveram programações especiais, dentre elas a escola Municipal de Ensino Fundamental Professor Helder Fialho Dias, no distrito de Outeiro; a escola Ernestina Rodrigues, em São Brás; o Liceu Escola Mestre Raimundo Cardoso, no bairro da Ponta Grossa, em Icoaraci; e a escola Professor Josino Viana, no bairro de Pedreira, além de escolas dos distritos de Mosqueiro e Outeiro.

Nas unidades, houve ações de conscientização contra a violência e bullying, que conta com a parceria da Promotoria de Justiça da Infância e da Juventude do Ministério Público do Estado do Pará; show de talentos; além de atividades de combate ao trabalho infantil, dentro das ações do projeto de educação da Semec para 2018, que tem o tema “Aliança pela Paz, Cidadania e Amor”.

A programação também contemplou a acolhida e mensagem aos alunos, vídeo, produção textual, palestras, cinema, jogos, peças teatrais e outras atividades.

Na escola Josino Viana, localizada na esquina da travessa Lomas Valentinas com a avenida Pedro Miranda, no bairro da Pedreira, as crianças e seus responsáveis chegaram bem cedo. A escola atende cerca de 600 alunos, entre estudantes da educação infantil, de Jovens Adultos (EJA), além da educação inclusiva, nos três turnos do dia. Com amplas salas de aula, o espaço ainda tem sala de informática, biblioteca, quadra de esportes, refeitório e uma pequena horta.

A aposentada Ilza Silva Delgado, de 75 anos, estava com a neta Nataly Beatriz, de 9 anos, esperando o portão da escola ser aberto. As duas moram às proximidades da escola e a dona Ilza repete com a neta a mesma rotina que manteve com a filha, mãe da garota. “Trago e venho buscar minha neta na escola, todos os dias. Fiz isso com a mãe dela e estou aqui para repetir com minha neta. Eu acho que é como se fosse a minha missão, e não me incomodo de acordar e estar aqui na escola, bem cedo”, garantiu dona Ilza.

Programação - A escola preparou uma programação especial para os alunos. Na quinta-feira, 2, haverá uma programação com o grupo Cristo Alegria, e na sexta-feira, 3, apresentação do grupo Danças Circulares.

“Nossa escola não parou nem durante as férias. Aproveitamos o período de recesso e recuperamos a quadra de esporte, fizemos reparos nas salas de aula e outras providências”, contou Karina Bordalo, que dirige a escola há cerca de quatro anos.

“Primamos muito pelo ensino aqui na nossa escola. Trabalhamos com educação inclusiva e temos alunos de bairros mais distante de nós, como São Brás e Terra Firme. Esses alunos chegaram até a escola por terem ouvido boas recomendações sobre a educação que proporcionamos aqui”, comentou a diretora.

A escola Josino Viana foi uma das cinco escolas municipais que teve maior destaque, entre as 50 que estão participando do projeto de educação da Semec com o tema “Aliança pela Paz, Cidadania e Amor”.

Ao todo, a rede municipal de educação infantil tem 213 unidades escolares, que abrigam mais de 70 mil estudantes, de 0 a 14 anos.

“A Semec garante os 203 dias letivos para educação infantil, como prevê a Lei. Temos consciência que não somos apenas educadores, mas estimuladores dessa educação, e por isso, temos uma grande preocupação com a evasão e o fracasso escolar. Trabalhamos ainda para manter em alta a nossa nota no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica)”, apontou Wilza Pinho, coordenadora do Núcleo do Ensino Fundamental da Semec.   

O Ideb é o principal indicador da qualidade da educação básica no Brasil. Para fazer essa medição, o Ideb utiliza uma escala que vai de 0 a 10. A meta para o Brasil é alcançar a média 6, até 2021, patamar educacional correspondente ao de países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), como Estados Unidos, Canadá, Inglaterra e Suécia. O índice foi criado pelo Instituto Nacional de Pesquisa Educacional Anísio Teixeira (Inep) em 2007.

Outras unidades - Além das unidades de ensino, o Cursinho Municipal de Belém também teve retorno das aulas nesta quarta-feira. A novidade para o segundo semestre é a implantação da Escola Militar, que vai preparar alunos para as provas do ensino militar, como o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), do Centro de Instrução Almirante Brás Aguiar (Ciaba), entre outras.

Comentários