A Campanha Setembro Amarelo ajuda no combate da depressão ocasionada pela obesidade

A depressão é considerada um transtorno mental comum e já atinge mais de 350 milhões de pessoas no mundo. Entre os sintomas segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) estátristeza, oscilação de sentimentos, sensação de culpa, baixa autoestima e cansaço. Geralmente a depressão é associada a doenças clínicas que prejudica a evolução do tratamento de patologias cardiovasculares, oncológicas e endocrinológicas, com destaque para obesidade.

Depressão e obesidade se enquadram como agravos na saúde pública no mundo inteiro. Mas o problema mais doloroso é o estigma sofrido pelo paciente. No mês do “Setembro Amarelo”, alusivo à prevenção do suicídio e da depressão, a endocrinologista Larice Falcão e a psicóloga do Hospital Jean Bitar (HJB), Telma Vieira, destacam a importância do acompanhamento com equipe multiprofissional aos que sofrem de obesidade e depressão, independente, da ordem em que elas ocorrem.

Segundo a psicóloga, transtornos emocionais são os principais inimigos na luta contra o excesso de peso. “A depressão ocupa o primeiro lugar nessa estatística”, alerta. A especialista explica a relação obesidade x depressão. “Ter depressão na adolescência é fator de risco para o excesso de peso na vida adulta. E isso, aumenta o risco de depressão. É um círculo vicioso que o paciente acaba se submetendo”, explica.

Cuidado – Durante muito tempo, a depressão foi confundida como fraqueza para muitas pessoas, lamenta a psicóloga aos afirmar que a depressão não é fragilidade, é uma doença. “Precisamos acolher o paciente sem julgá-lo ou cobrar uma atitude que ainda não pode ter”. Durante a assistência prestada pelo HJB ao usuário obeso, por exemplo, são abordados o excesso do peso e o quadro depressivo para conscientização e importância da aderência ao tratamento e, assim, iniciar uma dieta para recuperar vida saudável e também, sua autoestima.

Segundo a endocrinologista do HJB, a mente do paciente é o maior desafio no tratamento da obesidade.  “É crucial o auxilio do psicólogo que é o primeiro passo no tratamento. Pacientes com depressão tem uma dificuldade maior de aderir um novo estilo de vida, com mudança de hábitos alimentares, realização de exercícios físicos. Pois já chegam com uma motivação baixa e uma qualidade de vida menor ainda. Então é preciso tratar o paciente emocionalmente também, para iniciarmos o tratamento clínico”, explica Larice. 

O perigo do prazer – Telma ressalta a importância do acompanhamento psicológico na vida do paciente durante a depressão na obesidade, e vice-versa. “O ser humano não vive sem prazer. No caso de nossos pacientes, esse sentimento é encontrado na comida, o que acaba gerando a obesidade. Após uma cirurgia bariátrica, por exemplo, é essencial mostrar ao paciente, outras formas de prazer, resistindo assim à compulsão alimentar e encontrando o equilíbrio emocional para lidar com o emagrecimento”.

Tratamento – Cerca de 30% das pessoas que procuram a cirurgia bariátrica no HJB, apresentam algum grau de depressão. Telma explica que a depressão aumenta a circulação do cortisol e pode induzir ao acumulo de células de gordura na região abdominal, culminando na obesidade. “Trabalhamos com técnicas de aconselhamento para que a pessoa consiga lidar com as dificuldades desse processo. Em casos de pós bariátrica, acompanho meu paciente durante dois anos. Nosso trabalho é ajudar na melhor qualidade de vida dessas pessoas”, conclui.

No primeiro semestre deste ano, o HJB viabilizou 723 atendimentos ambulatoriais em cirurgias bariátricas, 31 cirurgias bariátricas, 416 atendimentos de nutrição e 231  na especialidade de psicologia. O HJB dispõe de 70 leitos e é referência estadual na cirurgia bariátrica, endoscopia digestiva, endocrinologia, reumatologia, geriatria, pneumologia e clínica médica. A equipe realiza cirurgias de parede abdominal e gástrica, e ainda para cirurgias nas vias biliares e intestino.

Serviço: O Hospital Jean Bitar funciona na Rua Cônego Jerônimo Pimentel, Bairro do Umarizal. Mais informações: (91) 3239-3800.

Comentários