Iphan elege Belém como referência nacional nas discussões sobre centros históricos

Em um evento fechado para convidados na noite desta terça-feira, 6, no Palácio Antônio Lemos, sede da Prefeitura de Belém, representantes do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) apresentaram as normativas sobre o centro histórico de Belém, tema que é objeto de discussão em diversos grupos de trabalho.

Com a presença do prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, da presidente do Iphan, Kátia Bogéa, e de uma comitiva de superintendentes regionais e diretores do órgão federal e convidados, foram apresentados durante a reunião os estudos referentes à área de intervenção para a preservação do centro histórico, proposta que integra o Iphan, a Prefeitura de Belém e o governo do Estado.

Com o tema “Gestão compartilhada do patrimônio cultural brasileiro”, o estudo apresentado trata de assuntos acerca dos critérios de proteção e intervenção em bens e imóveis e sítios urbanos, com foco na gestão integrada.

Para Kátia Bogéa, Belém dá lição de qualidade urbanística das cidades. “Essa cidade tem muitas áreas urbanísticas de referência, com os corredores de mangueiras, prédios históricos, com equilíbrio e harmonia neste conjunto. É uma qualidade urbanística boa, e isso é excepcional. Hoje as cidades brasileiras vivem uma crise, que por falta de qualidade urbanística perdem sua qualidade de vida. A praça da República ficou linda, quando falamos em urbanização lembramos dela com aquelas árvores, bancos, arquitetura. Isso diferencia cidades e não cidades. Essa é a lição que levamos de Belém. E colocamos como missão do Iphan para 2019 enfrentar o desafio de conseguir fazer as normativas de cidades brasileiras tombadas”.

O prefeito festejou a parceria institucional. “Na qualidade de prefeito festejo essa parceria institucional e torço para que possamos consolidar essas normativas. Preservar o patrimônio de uma cidade requer, também, a preservação da nossa identidade. Temos que pensar nisso de forma que mantenhamos a ocupação de pessoas nesses ambientes, que só serão realmente protegidos se tiverem vidas. Ainda estamos em fase final dessa construção das normativas, mas sei que este já foi um grande avanço, e a partir deste trabalho das equipes já conseguimos avançar”, avaliou Zenaldo Coutinho.

Diretor do Departamento de Patrimônio Material e Fiscalização do Iphan, Andrey Rosenthal declarou que Belém sai na frente dos demais municípios. “O resultado do trabalho que vimos agora é o que queremos nos demais locais. Nós queremos que a cidade cresça, que a política pública seja desenvolvida dialogando com a preservação, e Belém, neste caso, segue na frente. Foi por isso que fizemos questão de reunir todos aqui para mostrar o quanto é necessário apostar na construção de normas”, afirmou.

Comentários