Selo certifica pontos de venda de açaí que cumprem normas de higiene

Afixado com destaque na vitrine do ponto “Açaí Nativo”, o selo de qualidade “Açaí Bom” é exibido com orgulho pelo proprietário, Sidney Lobato. O selo foi conquistado com o empenho de Sidney e toda a sua equipe. Antes de abrir o negócio, ele buscou a Casa do Açaí para aprender a manipular corretamente o fruto. “Nós já iniciamos nosso trabalho conforme a legislação determina. Nossos clientes gostam. Estamos aqui há dois anos e a cada dia a clientela está crescendo mais e procuramos dar um açaí branqueado, livre de contaminação. Não temos reclamação”, afirma.

O "Açaí Nativo" está entre os 145 estabelecimentos que possuem atualmente o selo de qualidade "Açaí Bom", criado pela Prefeitura Municipal de Belém em 2015, na primeira gestão do prefeito Zenaldo Coutinho, com o objetivo de sinalizar para o consumidor os pontos vistoriados pela Vigilância Sanitária, que possuem licença de funcionamento e cumprem as normas higiênico-sanitárias exigidas pelo Decreto Estadual 326.

O estabelecimento de Lobato também está classificado entre os onze melhores pontos de açaí da capital e que receberão o selo do açaí na versão Ouro, uma edição limitada para os batedores que controlam a qualidade do seu produto e possuem laudo satisfatório da Vigilância Sanitária.

“Com certeza esse selo é importantíssimo porque é um reconhecimento da própria Vigilância Sanitária de Belém pela seriedade com que é feito o trabalho aqui nesse ponto de açaí. Isso é importante porque os nossos clientes vêm aqui ver o selo e sabem que a gente tem um trabalho sério e é fiscalizado. Na parede temos todos os laudos da Vigilância Sanitária”, destaca o proprietário.

O empenho do empresário é ratificado pelo consumidor Carlos Alberto Silva, que há um ano e meio só consome o açaí do ponto do seu Lobato. Para ele, o investimento é fundamental para atrair o consumidor de forma segura, principalmente em relação à saúde. “Aqui a gente vê que é uma empresa que está oferecendo qualidade na produção do açaí e na qualidade do sabor, com relação à limpeza, tudo. É válido que a gente retorne, compre e mande o produto para nossos parentes que estão fora da nossa cidade. O selo de qualidade é uma segurança para a própria saúde dos consumidores”, afirma o consumidor, que compra açaí para a família inteira no estabelecimento.

De acordo com Camila Miranda, gerente da Casa do Açaí, a vigilância sanitária acompanha os estabelecimentos que possuem o selo de qualidade, que são aqueles que têm uma visibilidade maior e precisam estar totalmente dentro do padrão. “O selo de qualidade veio pra direcionar a população para os melhores batedores de açaí. Infelizmente tivemos uma queda no selo, porque vimos que, como em qualquer outro negócio, a pessoa alcançou o objetivo e relaxou. Mas é importante destacar que para manter a qualidade do ponto e do açaí o trabalho tem que ser de interesse primeiramente do batedor, em ser honesto e cumprir as normas. Já está provado que o estabelecimento que tem selo vende mais porque o selo já é uma referência e leva o consumidor a comprar no local que tem o selo”, reforça Camila. 

Um estabelecimento que recebe o selo da Vigilância Sanitária e da Casa do Açaí passa a receber visitas surpresas necessárias para que se garanta a qualidade do serviço. “Fazemos as coletas para análise dos produtos do açaí, que são enviadas para o Laboratório Central (Lacen, da Secretaria de Estado de Saúde Pública), que de 15 a 20 dias libera o laudo. Após a nossa análise, se algo estiver inadequado conversamos com o batedor para que ele se adeque. Avaliamos se possui amido, que é a mistura mais comum, e como estão as salmonelas e coliformes fecais”, explica Camila.

Qualidade - No ponto “Açaí do Edson”, o consumidor João Monteiro da Costa faz questão de mostrar que conhece e valoriza o selo “Açaí Bom”. “O açaí daqui é muito bom por causa do sabor diferente. Eu poderia dizer que é por causa do fruto, mas eu acho que é por causa da qualidade com que eles trabalham. A gente tem ouvido falar desse selo e procura comprar sempre onde ele tem, até por causa da questão da saúde. É que você tem segurança de comprar um produto bom, que não tem risco de adoecer e confirma que o produto é feito com qualidade”, afirma.

Para o proprietário, Edson Calandrine, que há mais de 30 anos trabalha com açaí no bairro da Pedreira, é uma grande responsabilidade trabalhar com um dos frutos mais consumidos pela população local, por isso ele não relaxa na qualidade e na higiene. Edson também está entre os batedores que receberão o selo Ouro do “Açaí Bom”. “Procurei ter o selo porque é importante ter. Os fiscais da Vigilância Sanitária vieram aqui comigo e foram me dando o passo a passo para eu adquirir esse selo, como a manipulação, importância da limpeza, e fazer o curso para me capacitar. Aprendi muita coisa importante para manter a saúde, dar bem-estar para o cliente”, conta.

Edson investiu cerca de R$ 25 mil no maquinário e na reforma do ponto até chegar ao padrão proposto pela vigilância. Hoje o “Açaí do Edson” é uma referência e atrai dezenas de consumidores diariamente.

Para adquirir o selo, os batedores devem procurar a Casa do Açaí, localizada na travessa do Chaco, 1490, entre a avenida Duque de Caxias e a travessa Visconde de Inhaúma, de 8h às 17h. Informações podem ser obtidas pelo telefone (91) 3236-1138.

Comentários