Vencer ou vencer

No Baenão ressuscitado, rei do empate desafia Leão a fazer o dever de casa

Remo precisa romper a boa defesa da Luverdense para reassumir liderança e transformar reabertura do estádio numa festa só

Dizem que um dos maiores prazeres de um turista é o retorno para casa. É o sentimento que a torcida do Remo perpetua para o reencontro com o Baenão. 

O estádio estava fechado desde o dia 1º de maio de 2014 e, neste sábado (13), voltará a receber uma partida oficial. O jogo será contra o Luverdense, às 15h, pela 12ª rodada da Série C do campeonato brasileiro.

Menos de um mês depois da chegada do meia Eduardo Ramos e diante da necessidade de vencer para poder quebrar a sequência de quatro jogos de jejum, o tema principal no Remo poderia ser o time titular, formatação tática e quesitos técnicos. No entanto, o principal assunto é mesmo o Baenão. 

O estátio Evandro Almeida passou por inspeções dos órgãos de segurança e também da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e está pronto e liberado para sediar jogos oficiais.

Fundado no dia 15 de agosto de 1917, o Baenão terá capacidade máxima de 13.792 pessoas e, provavelmente, esgotará este número antes mesmo de o jogo começar. Com ingressos entre R$ 120 e R$ 200, mais de 10 mil bilhetes já foram comercializados.

Tão arrumado quanto o gramado da casa azulina, a equipe comandada pelo técnico Márcio Fernandes precisará entrar em campo. Afinal, apesar de estar na zona de rebaixamento, o adversário do dia histórico de reabertura do estádio será o Luverdense, o time que mais empatou em toda a Série C, com sete resultados iguais em 11 jogos. 

Após tanto tempo no 0 a 0 da torcida diante de promessas de reabertura do estádio, o jogo que marcará o retorno do Remo ao Baenão não pode nem passar perto de outro que não seja a vitória.

Tags

Clube do Remo Esporte futebol RedeLeão

Comentários

*Os comentários não representam a opinião do site, a responsabilidade é do autor da mensagem.


  • in this conversation
      Media preview placeholder