Nem vitória, nem derrota

Remo arranca empate no novo Baenão e Paysandu traz um pontinho do sul

Na reabertura do Baenão, Leão vai buscar empate nos acréscimos após levar dois gols relâmpagos. Já o Papão deixa Juventude empatar com um jogador a menos. Atleta do time gaúcho foi expulso ainda no primeiro tempo.  

O início da tarde de sábado, 13 de julho, foi de muita euforia ao redor do Estádio Evandro Almeida. O tempo foi passando e a multidão vinha chegando. Toda essa euforia por conta da reabertura do Baenão. Foram cinco anos de espera, por isso a festa estava bonita, grandiosa, com show, cerimônia e homenagens aos responsáveis pelo retorno do estádio. Cenário digno de uma vitória, não é mesmo? Mas não foi bem assim. O susto foi grande, já que o Luverdense foi um convidado indigesto nessa festa. O time de Mato Grosso fez dois gols relâmpagos com Anderson Ligeiro e Kauê, em menos de 10 minutos de jogo. E aí o que se viu foi um Baenão em silêncio... estático. Quem não ficou parado foi o técnico Márcio Fernandes, que mandou os jogadores reservas para o aquecimento e em poucos minutos mexeu no time. Emerson Carioca entrou no lugar de Carlos Alberto. “No início da partida alguns jogadores realmente sentiram muito, o estádio, o jogo. Se eu tivesse que substituir, trocaria quatro logo com 15 minutos de jogo. Aí você tem que ver quem tá pior pra poder trocar”, explicou o treinador azulino.

A mudança fez efeito, o time passou a atacar mais e até teve chance de diminuir ainda no primeiro tempo, mas o jogo foi para o intervalo com a vitória do Luverdense por 2 a 0. Vaias e muita revolta das arquibancadas.

Veio o segundo tempo e com ele a entrada de Alex Sandro, que deu um pouco mais de movimentação ao ataque azulino. Como o gol não saia, o Leão foi pro abafa com a entrada de Guilherme Garré. Aos 32 minutos, o zagueiro Marcão diminuiu. Após escanteio cobrado por Eduardo Ramos ele fez de cabeça. O Remo poderia ter empatado minutos depois, mas Alex Sandro desperdiçou uma chance de ouro.

‘Cuca’ boa - Foi apenas nos acréscimos que veio o alívio dos remistas. Eduardo Ramos desviou de cabeça, aos 51 minutos, em mais uma cobrança de escanteio. Fredson cabeceou e o camisa 10 balançou as redes também de cabeça. Festa do Fenômeno Azul, que voltou pra casa com o gosto amargo do empate. Pelo menos a reabertura do Baenão (#eutavalá) não vai ficar marcada com uma derrota.

Os jogadores não gostaram do resultado. “Estou bastante chateado com esse empate, mas pelo menos a gente não perdeu né. A gente vai jogar fora agora e vamos buscar os três pontos”, afirmou o zagueiro Marcão. O Remo enfrenta, na próxima rodada, o Ypiranga em Erechim, no Rio Grande do Sul. Os azulinos não vencem a cinco jogos.

Poderia ser melhor - Já o Paysandu deixou escapar a vitória jogando fora de casa. Em Caxias do Sul, o Papão encarou o Juventude, e abriu o placar ainda no primeiro tempo com o atacante Nicolas. O time da casa ficou com um jogador a menos ainda na primeira etapa, quando o atacante Dalberto foi expulso.

No segundo tempo, o time bicolor teve boas oportunidades de matar o jogo, mas Tony, Nicolas, Elielton, Diego Rosa e Jheimy não foram eficientes nas conclusões ao gol. No futebol, o velho ditado funciona mesmo: “quem não faz, leva”. Aos 33 minutos, Breno tabelou com Renato Cajá e bateu forte, sem chances para o goleiro Mota. 1x1 no Estádio Alfredo Jaconi. Agora, o Papão faz duas partidas em Belém e pode entrar de vez no grupo que passa para a próxima fase.

Com esses empates o Remo se mantém no G4, na quarta posição com 18 pontos, mesma pontuação do Paysandu que está na quinta colocação, mas perde no saldo de gols. Confira a classificação completa aqui.

Tags

Clube do Remo Esporte futebol Paysandu

Comentários

*Os comentários não representam a opinião do site, a responsabilidade é do autor da mensagem.


  • in this conversation
      Media preview placeholder