Força feminina

Mulheres são preparadas para enfrentar violência doméstica em Juruti

Instituto Puxirum, Instituto Juruti, Conselho da Mulher e Rede de Mulheres da Alcoa se unem para reduzir casos de agressão, que ainda engrossam as estatísticas no Pará, 13 anos após a criação da Lei Maria da Penha

Moradoras das comunidades rurais de Juruti Velho, Castanhal, Tabatinga e São Pedro, no município de Juruti, no Oeste do Pará, participam de oficinas de sensibilização para o combate à violência contra a mulher, que serão aplicadas nessas localidades durante os meses de agosto e setembro. A iniciativa é do Projeto Mulheres de Fibra, desenvolvido pelo Instituto Puxirum da Amazônia (IPUAM), em parceria com o Instituto Juruti Sustentável (IJUS), Conselho Municipal do Direito da Mulher (CMDM) e a Rede de Mulheres da Alcoa (AWN).

Como parte das ações de engajamento no combate à violência contra a mulher, no último sábado (3), aconteceu a segunda etapa da capacitação de facilitadores das oficinas. O objetivo é ampliar a rede de pessoas conscientes sobre os tipos de violência e as medidas protetivas, além de apoiar o fortalecimento do tema para estruturar a rede de assistência em Juruti. As oficinas nas comunidades rurais acontecerão nos dias 25 de agosto e 14 de setembro.

O Pará é o 7º estado do Brasil em número de mulheres vítimas de homicídio e o 8º no ranking do feminicídio - que é a perseguição e morte intencional de pessoas do sexo feminino. Segundo o Monitor da Violência, em 2018 foram registrados 19 mil casos de agressão contra mulheres no Pará. Somente na região metropolitana de Belém, são duas ocorrências a cada uma hora.

A Lei Maria da Penha, principal instrumento legal de defesa da mulher, completou 13 anos na quarta-feira (7), mas a violência doméstica ainda é uma realidade em todo o Brasil. Nos últimos três anos, 12 mil mulheres morreram vítimas de feminicídio e quase 900 mil pediram medida protetiva no país.

Preparar as mulheres para enfrentar esse problema, esclarecendo direitos e estratégias de apoio, é um esforço, que agora se faz em Juruti, para impedir o crescimento desses números lamentáveis.

Comentários

*Os comentários não representam a opinião do site, a responsabilidade é do autor da mensagem.


  • in this conversation
      Media preview placeholder