Release

Livro “Breve história dos quadrinhos paraenses”

O livro foi lançado pela editora Cultua e Memória, da Secult, no último domingo, durante a 23ª Feira Pan-Amazônica do Livro

Em 2015, foi lançado o documentário “VHQ – Uma breve história do quadrinho paraense”, um registro realizado por Vince Souza pelo Café, Cinema e Quadrinhos. Quatro anos mais tarde o documentário ganhou um complemento em outra mídia. Já atualizado, o livro mostra um recorte da trajetória dos quadrinhos paraenses até os dias de atuais.

“Mesmo depois do lançamento do documentário eu continuei a pesquisa”, comenta Vince Souza. 

 

O autor Vince Souza lança seu livro ao lado do roteirista Gian Danton.
 

A ideia do livro surgiu ainda em 2015, em um evento de quadrinhos. E foi sugerido por Gian Danton, um dos fundadores do coletivo de quadrinhos Ponto de Fuga do inicio dos anos 90. No final de fevereiro de 2019, o documentário VHQ completou 4 anos, então o animador Cássio Tavernad fez o convite para lançar o livro baseado na obra audiovisual. 

Além da pesquisa, o livro contou com a colaboração escrita de Otoniel Oliveira, quadrinista, animador e roteirista, que também fez parte do início do cenário de quadrinhos e fez parte do grupo Casa Velha.

O convite para lançar o livro partiu do animador Cássio Tavernad quando o documentário completou 4 anos no final de fevereiro de 2019.  Além da pesquisa, o livro ainda contou com a colaboração escrita de Otoniel Oliveira, outro representante do cenário de quadrinhos que também fez parte do grupo Casa Velha, que surgiu depois do grupo Ponto de Fuga.

Você pode encontrar a obra por R$ 40,00 na Secult, Parque da Residência, na av. Magalhães Barata, ou diretamente com o autor Vince Souza, por facebook

Tags

Feira Pan Amazônica do Livro Livro

Comentários

*Os comentários não representam a opinião do site, a responsabilidade é do autor da mensagem.


  • in this conversation
      Media preview placeholder

      15 Minutes Ago

      Robson Marone

      Uma bela obra de reconhecimento pelo trabalho que os quandrinistas paraenses tem feito pela cultura , eu me senti lisonjeado por estar nessa obra e gostaria de dizer q o Rosinaldo Pinheiro da Turma do Açaí merecia um destaque taí bom quanto os pioneiros das HQs em Belém tiveram.


      • in this conversation
          Media preview placeholder