marketing e conectividade

Estar conectado com o cliente é um fator muito relevante para o mercado

Agora, as pessoas buscam referências nas opiniões de outros compradores, no conteúdo que você produz, nos valores da sua marca e nas experiências que a sua empresa proporciona.

Hoje em dia, para conquistar um novo cliente, você não pode mais se dar ao “luxo” somente de dizer que o seu produto ou serviço é o melhor da categoria. Esse tipo de comunicação narcisista, focada no próprio negócio e em suas ofertas, deu lugar a um modelo que valoriza o relacionamento com o público. São as formas como a sua marca interage e é percebida pelos consumidores que estão, nesse momento, no centro das estratégias de marketing e conectividade.

Essa mudança se deu de forma natural, muito em função da Web 2.0 e as suas ferramentas, como as redes sociais, apps de mensagens e e-mail marketing. Elas deram autonomia ao público, que passou a ser produtor da sua própria comunicação. A explosão do uso de smartphones também provocou mudanças nos pontos de venda. A tecnologia favoreceu, ainda, a interação entre as marcas e clientes, que chegam mais informados que os próprios profissionais de venda sobre os produtos. Outras fortes tendências digitais para o varejo são a inteligência artificial e os chatbots para automatizar o atendimento on-line.

Agora, as pessoas buscam referências nas opiniões de outros compradores, no conteúdo que você produz, nos valores da sua marca e nas experiências que a sua empresa proporciona.

Tudo isso contribui, de alguma forma, para melhorar o relacionamento com os consumidores, o número de vendas e, consequentemente, a fidelização de clientes.

A 22ª Convenção de Supermercados e Fornecedores da Região Norte – SuperNorte - terá como tema “Conectividade, o supermercado em transformação”, numa estreita sintonia com as mudanças no estilo de compra e consumo da população. “Retrata os desafios impostos ao setor nesta era de negócios digitais, buscando apontar caminhos e estratégias para se manter competitivo. A concorrência não é mais apenas intra segmento, mas com os diversos meios e canais alternativos de venda. Para acompanhar essa mudança, mais do que tudo é preciso rever conceitos, mudar pensamentos e atitudes. É justamente isso que estaremos debatendo em nossa programação”, destaca o presidente da Aspas, Jorge Portugal, à frente da organização da Convenção.

Social media marketing

Vamos começar justamente por um dos meios que mais aproximaram as relações entre marcas e consumidores: as redes sociais. Por meio de plataformas, como o Facebook, Twitter, Linkedin  e Instagram, você pode interagir com o público como se fosse uma troca entre duas pessoas comuns. São estabelecidos diálogos mais informais, humanizados e que despertam o interesse dos usuários.

Uma estratégia de marketing nas mídias sociais se baseia em contar a história da sua marca por meio de conteúdos interessantes. Claro que as redes também devem ser usadas para promover suas ofertas, levar tráfego ao seu site/blog, gerar leads e servir como canal de atendimento ao público. De todo modo, a ideia é gerar engajamento com o seu negócio (comentários, compartilhamentos, avaliações e menções positivas).

Mas não estamos falando em compartilhar memes, ok? Trata-se de publicar conteúdos que serão importantes aos seus seguidores. Não se esqueça de que é muito mais fácil um potencial cliente abrir o seu próprio Facebook do que o seu blog. Então, se você quer ter um contato próximo e criar negócios, leve os seus valores também para as redes sociais

O Grupo Ocrim que possui cinco produtos diferentes sabe que estar presente nas redes sociais como marca é indispensável para os dias atuais, porém é preciso considerar a maneira mais informal e espontânea que esse posicionamento vem acontecendo.

“Criamos canais de atendimento que aproximam e dão ao cliente a opção de se comunicar com a marca, mantendo um contato direto através de chats que atendem diretamente ao consumidor, tirando dúvidas, ouvindo feedback sobre produtos e atendendo a reclamações, mostrando que a empresa se importa e está cada vez mais próxima e atenciosa em relação ao ponto de vista de seus consumidores.” Explica o diretor comercial Fernando Peres.

Para a dona de casa Fátima Oliveira este tipo de canal é muito importante. “Eu lembro na década de 80 quando casei e precisava ir ao supermercado para comprar as coisas, eu perdia muito tempo para analisar cada produto, hoje com a comunicação fácil percebo que já tenho em mente o que irei comprar pois já acompanho os produtos pelas minhas redes sociais”, explica Fátima.

Tags

Comunicação Marketing Digital Negócios tecnologia

Comentários

*Os comentários não representam a opinião do site, a responsabilidade é do autor da mensagem.


  • in this conversation
      Media preview placeholder