PARQUE AQUÁTICO

Governo reabre Parque Aquático da Universidade do Estado do Pará

Complexo esportivo ficou por mais de três anos fechado e agora reestruturado com recursos do Estado

Um dos mais importantes complexos esportivos da região e berço dos atletas paraenses, o Parque Aquático da Universidade do Estado do Pará (Uepa), foi reaberto nesta segunda-feira (10), em cerimônia presidida pelo governador do Estado, Helder Barbalho, e pelo reitor da Uepa, Rubens Cardoso. Há 3 anos, o espaço fechou para obras. A Universidade aguardava um recurso federal para execução dos serviços, mas no ano passado, a gestão atual retomou as obras com recursos próprios. Um investimento do tesouro Estadual de mais de R$ 2,4 milhões para devolver ao Estado o complexo.

"No final de 2016 este espaço foi fechado e desde lá os alunos e a comunidade não tiveram acesso mais a esses equipamentos. Ano passado, o doutor Rubens me passou essa situação e foi quando decidimos usar recursos do Estado para reabrir o local. Os atletas do Pará tem pressa. E a partir de agora todos voltam para este lugar. Portanto façam bom uso, zelem, cuidem dele pois é a casa de vocês", disse o governador Helder Barbalho.

REFORMA - O complexo esportivo integra o Campus III da Universidade, localizado na Avenida João Paulo II, no bairro do Marco, em Belém. A reabertura marca o início do ano letivo 2020 das turmas do Curso de Educação Física e de todas as atividades acadêmicas e de extensão realizadas no espaço.

"A Uepa fez, este ano, a chamada de 3.026 novos calouros. Entre eles estão os estudantes de educação física, curso que completa 50 anos em 2020. Formamos aqui em Belém, em Tucuruí, Altamira e Conceição do Araguaia. Quero aqui ressaltar o trabalho que foi feito para colocar o Parque num patamar internacional com uma estrutura com todo o formato preconizado por comitês de eventos mundiais. Portanto, agora estamos preparados para receber qualquer campeonato, é um marco para nós", reiterou o reitor da Universidade, Rubens Cardoso.

O Parque Aquático é composto por três piscinas, sendo uma olímpica, outra exclusiva para a modalidade de saltos e uma infantil. As duas primeiras são compatíveis com as exigências do Comitê Olímpico Internacional. As estruturas foram todas impermeabilizadas, houve troca de revestimentos, troca de toda parte elétrica, tubulações e filtros, e das bombas da casa de máquinas, que teve a capacidade renovada. Além disso, foram recuperados os trampolins e restauradas as canaletas e o deck no entorno das piscinas. O prédio que abriga o Campus III também recebeu uma pintura geral.

As novas piscinas atenderão cerca de 1,5 mil alunos durante as aulas práticas de natação e polo aquático, do Curso de Educação Física da Uepa, além de crianças, adolescentes e idosos que participam dos projetos em convênio com as Secretarias de Estado de Esporte e Lazer (Seel) e de Educação (Seduc), e Municipal de Esporte, Juventude e Lazer (Sejel).

O trabalho de inclusão social e transformação através do esporte, realizado pela UEPA, despertou a vocação de muitos talentos e referências no esporte regional e nacional.

José Wilker é hoje um dos 4 únicos atletas profissionais da Seleção Brasileira de Salto de Penhascos e começou a saltar, ainda criança, no Parque Aquático da Uepa. "Vim de um projeto social que era realizado aqui. Tinha 7 anos e comecei a nadar nessa piscina. Minha mãe não tinha condições de pagar natação para os 5 filhos. Depois fui pra campeonatos no México e na Pensilvânia, faço shows no Brasil e no mundo. Esse lugar transformou a minha vida" disse o atleta.

Yan Campelo, campeão Brasileiro Juvenil em 2016, é também um dos esportistas que nasceu no lugar. O atleta de pólo aquático e saltos ornamentais fez questão de estrear os novos equipamentos do parque. "O esporte aquático me fez ser quem eu sou hoje. Definiu meu caráter, me tirou das ruas. Eu moro na baixada do Marco, em Belém, podia ter seguido outro caminho se não tivesse entrado aqui aos 8 anos. Voltar para cá é dar continuidade a minha carreira e ao que amo fazer", disse Yan, emocionado por ver a estrutura do novo parque.

Kaik Souza e José Wilker Nascimento, medalhistas do Troféu Brasil de Saltos Ornamentais, também fizeram várias demonstrações de saltos na piscina do espaço. "Eu estava muito ansioso pra estrear a nossa casa nova. Eu estava treinando em um trampolim bem mais baixo e uma piscina com dimensões bem menores em outro clube. Porque esse é o único parque adequado para saltos ornamentais e estou muito feliz com a reabertura", disse Kaik, enquanto se preparava para voltar ao trampolim e fazer um salto.

Também farão uso do novo parque aquático os atletas e equipes que representam o Pará em competições nacionais e internacionais, bem como servidores da segurança pública, que passam por curso de formação e treinamentos.

A partir de março, serão oferecidas, no espaço, atividades esportivas à população, por meio do Laboratório de Atividades Aquáticas (Laaca) do Campus III da Uepa. Entre as modalidades ofertadas estão saltos ornamentais, natação, nado sincronizado, polo aquático e hidroginástica.

Tags

governo do pará

Comentários

*Os comentários não representam a opinião do site, a responsabilidade é do autor da mensagem.


  • in this conversation
      Media preview placeholder