PROVIDÊNCIAS

Prefeitura se reúne com grupo Atacadão e trata do embargo de empreendimento

No início da tarde desta quinta-feira, 13, foi realizada na sede da Prefeitura Municipal de Belém, uma reunião sobre o embargo da obra do empreendimento de comércio atacadista, localizado no Portal da Amazônia, no bairro Cidade Velha. O empreendimento está com as obras paralisadas há um ano e meio.

O prefeito Zenaldo Coutinho recebeu o vice-presidente do grupo Atacadão, Marcos Oliveira, ao lado procurador-geral do município, Daniel da Silveira; da secretária municipal de Urbanismo, Anette Klautau, e do presidente da Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel), Fábio Atanásio, além do ex-senador Flexa Ribeiro (PSDB) e de representantes do grupo empresarial.

"Essa reunião serviu para ajustarmos o processo da obra do empreendimento do Atacadão e promover esse entendimento, fazendo ajustes no processo construtivo embargado. A Prefeitura de Belém se dispõe ao diálogo, que envolve necessariamente Ministério Público Estadual (MPE) para que, conjuntamente, possamos encontrar uma solução que contemple os interesses da cidade, as questões urbanísticas da legislação municipal e também o interesse da geração de emprego e renda, tão importante dentro de nossa cidade", esclareceu Zenaldo Coutinho ao final da reunião.

Medidas - Diante das tratativas, a administração municipal dará início a um processo de articulação, com o MPE, a fim de se encontrar uma solução devida ao embargo.

Marcos Oliveira, representante do grupo Atacadão, afirmou que todas as medidas necessárias para se ajustar o projeto e o processo técnico a ser construído com a Prefeitura de Belém e MPE, serão consideradas.

Ainda na reunião, ficaram definidas algumas adequações a serem adotadas pelo grupo Atacadão, entre as quais, a diminuição da altura e a mudança na cor da estrutura de aço. Discussões relativas aos impactos relacionados ao patrimônio histórico e cultural, e ainda sobre a estrutura de saneamento também foram discutidas.

Posição - O grupo atua há cinco anos na capital paraense e há um ano e meio está com as obras paralisadas no Portal da Amazônia. Segundo o grupo Atacadão, o investimento na loja, localizada às margens da baía do Guajará, é de cerca de R$ 80 milhões. "A abertura que a Prefeitura está nos dando, juntamente com as secretarias municipais, e o alinhamento com o Ministério Público, nos garante que conseguiremos entregar uma loja, que será algo bastante benéfico para toda a população", afirmou Oliveira.

"As adaptações que faremos ao projeto e na comunicação visual da loja são algumas das maiores demandas. Vamos ter que plantar árvores, tradicionalmente cultivadas na região, e trata-se de um detalhe muito importante", destacou o representante do grupo Atacadão.

Outra reunião entre o Ministério Público, Prefeitura de Belém e o grupo Atacadão deve ocorrer nas próximas semanas, a fim de discutir o embargo do empreendimento.

Tags

gabinete

Comentários

*Os comentários não representam a opinião do site, a responsabilidade é do autor da mensagem.


  • in this conversation
      Media preview placeholder