Perda

Jornalismo paraense perde Hélio Furtado, um dos cinegrafistas mais talentosos do Pará

Hélio Furtado, de 64 anos, teria sido mais uma vítima da Covid-19

O jornalismo paraense levou um choque na tarde desta terça-feira, 13, com a notícia da morte do repórter cinematográfico Hélio Furtado, funcionário da TV Cultura do Pará. Não foi divulgado a causa da morte, mas especula-se que tenha sido por causa do novo coronavírus.

A TV Cultura do Pará publicou nas redes sociais uma nota de pesar em que lamenta “informar o falecimento de um dos seus profissionais mais talentosos. O repórter cinematográfico Hélio de Souza Furtado contribuiu por 32 anos com esta casa a cumprir seu papel de emissora pública educativa. Helinho deixa esposa e cinco filhos, e além de tudo deixa também amigos que fez nesses longos anos dedicados a capturar sempre a melhor imagem”, diz a nota.

O Sindicato dos Jornalistas no Estado do Pará (Sinjor-PA), também publicou uma nota em que comunica, “com grande pesar, o falecimento do repórter cinematográfico Hélio de Souza Furtado, ocorrido nesta quarta-feira (13), em Belém.  Conhecido carinhosamente entre os muitos amigos como "Picota", Hélio Furtado, aos 64 anos, continuava a mostrar toda sua competência, talento e sensibilidade, na TV Cultura do Pará, onde trabalhava desde 1988 e fez amigos e admiradores através das várias gerações que trabalharam ao seu lado. O Sinjor-PA, mais uma vez, reitera seus mais profundos sentimentos à família, amigos e colegas de trabalho de Hélio Furtado, que está, sem dúvida, entre os grandes de sua profissão”, lamenta.

“Jamais vou esquecer o nosso belíssimo trabalho nas quatro campanhas eleitorais e naquele documentário para a Globe Metais, em Breu Branco, para a Amazon Filmes e Temple. Ficamos até no prego de carro no meio da estrada. Quantas piadas na viagem. Sinto um buraco imenso no coração com essa tua partida”, escreveu o jornalista Jorge Vidal nas redes.

Já a jornalista Paloma Andrade Lima falou sobre as qualidades do cinegrafista com quem trabalhou por longos anos na TV Cultura do Pará. “Profissional competente e exemplar, cuidadoso, olhar apurado, parceiro de trabalho incrível. Sempre disposto a ajudar, a cumprir as missões. Um grande amigo. Marido apaixonado. Um pai maravilhoso. Ah, Melhor, deixas um vazio imenso, mas também um legado e tanto. Foi uma honra, meu querido Picota, meu querido Melhor”, descreveu.

Tags

jornalismo

Comentários

*Os comentários não representam a opinião do site, a responsabilidade é do autor da mensagem.


  • in this conversation
      Media preview placeholder

      15 Minutes Ago

      Kelia Santos

      Helinho, uma pessoa maravilhosa. Foi um prazer ter conhecido o picota. Descanse em paz. 😓


      • in this conversation
          Media preview placeholder

          15 Minutes Ago

          cris moreno

          Ronaldo, qual é o crédito da imagem? Infelizmente, tivemos uma grande perda, como profissional e amigo. Obrigada pelo espaço.


          • in this conversation
              Media preview placeholder