Perspectivas

Seminário debate economia e ajuda na estruturação do PPA

O Grupo Interinstitucional de Estudos e Análise Conjuntural (Geac), coordenado pela Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa), com apoio da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo no Estado do Pará (Fecomércio), realizou na manhã desta sexta-feira (15) o seminário “Projeções e perspectivas para a economia brasileira e paraense em 2019”, no Sesc Boulevard, em Belém. O Geac é um grupo interinstitucional criado em 2015 com o objetivo de gerar e manter um ambiente de debate sobre a conjuntura socioeconômica estadual e nacional.

Durante a abertura do evento, o presidente da Fecomércio, Sebastião Campos, destacou que “o seminário é uma grande oportunidade de as entidades agregarem informações e, assim, ter base para suas sugestões à composição do plano de governo para os próximos anos (o Plano Plurianual – PPA)”.

Criatividade - O presidente da Fapespa, Carlos Maneschy, também titular da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), ressaltou que, em momentos de crise, como o que o Brasil passou nos últimos anos, é necessário ter criatividade para solucionar os problemas, enfatizando a importância do bom uso do conhecimento gerado.

“Neste momento, é importante abrir os horizontes para que ciência, tecnologia e inovação sejam o insumo estratégico, como são em outros lugares do mundo, a fim de que sejamos um Estado que possa garantir o bem social. Para que o Pará não seja somente potencialmente rico, mas para que seja rico de fato, favorecendo sua população”, destacou Carlos Maneschy.

Ainda na abertura do evento, o secretário adjunto de Planejamento e Orçamento, Adler Silveira, lembrou que, nos próximos dias, o Governo do Pará iniciará o projeto de Governo Itinerante, realizando audiências públicas em várias regiões, no sentido de produzir o PPA 2020-2023. Segundo ele, as informações e os diagnósticos, como os apresentados no seminário, são fundamentais para embasar o planejamento que será desenvolvido.

Projeções e perspectivas – O economista Fábio Bentes, da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), mostrou como o setor do comércio está se comportando, nos últimos anos, diante de um novo ciclo de consumo no Brasil, em especial no Pará. De acordo com os dados apresentados pelo economista, em 2017 e 2018 houve uma lenta recuperação do setor, em variáveis como volume de vendas e saldo de postos de trabalho formais. Ele apontou, entretanto, que o Pará registrou uma recuperação mais rápida do que as demais unidades da Federação.

Nesse sentido, o diretor de Análises e Pesquisas Socioeconômicas e Análise Conjuntural da Fapespa, Márcio Ponte, falou sobre algumas projeções para a economia paraense, expectativas e fatores de impacto. Ele ainda reforçou que não há como tomar decisões sem o diagnóstico preciso da realidade estadual.

O público, composto por integrantes do Geac, representantes de outras Secretarias e estudiosos da área, também participou com perguntas e sugestões ao final das explanações.

Tags

economia paraense fapespa SECTET

Comentários

*Os comentários não representam a opinião do site, a responsabilidade é do autor da mensagem.