MOBILIDADE

Integração entre BRTs é tema de reunião entre SeMOB e NGTM

O alinhamento e integração entre os projetos BRT Belém e BRT Metropolitano foi o foco central da primeira reunião entre a nova diretoria da Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de Belém – SeMOB e representantes do Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano – NGTM.

O encontro foi realizado  na tarde de segunda-feira (11) e alguns pontos importantes foram decididos para o andamento futuro dos dois projetos, que interferem diretamente em toda a mobilidade da população de Belém e Região Metropolitana. 

Um dos principais pontos debatidos na reunião foi a necessidade de reativação de um grupo de cooperação técnica envolvendo equipes dos dois órgãos e outras pastas estaduais e municipais, entre eles, as secretarias municipais de Urbanismo e de Saneamento, para que os dois projetos trilhem caminhos integrados e complementares. “Iniciamos um termo de cooperação técnica envolvendo as prefeituras de Belém, Ananindeua, Marituba e Governo para criar um protocolo de intenções desse projeto básico de sistema ainda em 2015, que daria início a uma Agência de Transporte Metropolitano - Agtran. A ideia era estreitar o diálogo entre as equipes técnicas para depois encaminhar as definições para os executivos municipais e estadual, mas esse grupo não avançou”, explicou o arquiteto e urbanista Paulo Ribeiro, assessor do Governo. 

“Entendemos que resgatar esse diálogo é fundamental, porque os projetos jamais podem caminhar de forma concorrente. Temos que ver juntos a melhor maneira do BRT Metropolitano ser implantado no município e a forma como o usuário do sistema em Belém vai acessar isso tem que ser amplamente discutido por todos, para não penalizar o usuário”, destacou Ana Valéria Borges, superintendente da SeMOB, na reunião acompanhada por José Roberto Pereira de Oliveira, diretor geral do órgão. 

A diretoria do NGTM, também representada pelo diretor de Planejamento, Cláudio Conde, e pelo diretor de Obras, Alberto Matta, apresentou o projeto BRT Metropolitano como um todo e detalhou em especial a parte em que ele trafega dentro dos limites de Belém. Além das duas estações com módulos já construídos pela prefeitura na avenida Almirante Barroso (estações Tavares Bastos e Bosque) aguardando a entrada do sistema metropolitano, estão previstos para serem construídos mais cinco, no mesmo layout dos que já foram erguidos na via, além dos dois módulos que estão sendo construídos na entrada de Belém, na BR-316, próximo ao shopping Castanheira. 

Também foram antecipados alguns detalhes sobre o planejamento da futura licitação do sistema metropolitano, entre eles a necessidade de compatibilidade tarifária entre os dois sistemas e o respeito às categorias de gratuidades já previstas em lei no município de Belém, entre eles idosos com mais de 60 anos e pessoas com deficiência. 

A necessidade de integração entre os órgãos foi ainda destacada quando, ao explicar como funcionará o Centro de Controle Operacional (CCO) do BRT Metropolitano, em construção na avenida Augusto Montenegro, o NGTM explicitou que, dos 56 assentos previstos no local que administrará todo o sistema em tempo real, há vagas previstas para a SeMOB, independente do CCO próprio que administra o BRT Belém.

“Temos um CCO no BRT Belém que precisa, sim, estar ligado ao CCO do Metropolitano. Os dois sistemas precisam ser gerenciados de uma forma conjunta, em prol de garantir a mobilidade ao usuário”, destacou a superintendente da SeMOB. “Vamos trabalhar juntos a fim de garantir a calibragem ideal aos dois projetos para não gerar uma questão concorrencial, porque nessa discussão técnica o que todos nós buscamos é a mesma coisa: a melhoria da qualidade do serviço, através de uma melhor oferta”, acrescentou Ana Valéria, com quem Eduardo Ribeiro, direto-geral do NGTM, concordou: “O objetivo final é proporcionar o melhor serviço aos futuros usuários do sistema que está sendo implantado. Esses entendimentos são imprescindíveis para que as coisas caminhem bem e a sociedade tenha o melhor retorno dos investimentos que o Estado e a Prefeitura estão fazendo”, completou ele.  

OUTROS PROJETOS

Durante a reunião, realizada na sede do NGTM, o órgão estadual também aproveitou a oportunidade para apresentar à nova direção da SeMOB obras do Governo do Pará na área do trânsito de Belém, entre elas algumas em fase já concluída – como o prolongamento da João Paulo II e a Estrada do Tapanã, que em breve deve ser devolvida à gestão municipal – e outras ainda em fase de execução – como a Rua Padre Bruno Secchi.

Também foram apresentados em primeira mão os projetos de construção do elevado ligando as avenidas João Paulo II e Dr. Freitas, e também as avenidas Mário Covas e Independência, ainda em fase de elaboração e planejamento. 

“Estes projetos pensados para melhorar a mobilidade na capital precisam ter o acompanhamento de perto da prefeitura de Belém, não só pela SeMOB, mas por Sesan, Seurb, Codem e outros, para saber de que forma impactarão no município”, analisou Ana Valéria. “Essa é a primeira reunião de várias fundamentais à compatibilização e conjugação dos interesses comuns à prefeitura e governo do estado, porque discutir alguns pontos necessários para viabilizar questões de forma muito mais célere e ajustada aos projetos implica numa cooperação e integração entre as duas equipes, tendo sempre como foco o interesse da sociedade”, concluiu a superintendente da SeMOB.

 

Comentários

*Os comentários não representam a opinião do site, a responsabilidade é do autor da mensagem.


  • in this conversation
      Media preview placeholder