SOBRE PATERNIDADE

Conheça dez filmes que farão o Dia dos Pais melhor e emocionante

O cinema tem seus temas recorrentes e um dos que já rendeu grandes filmes são as histórias sobre a relação entre pai e filho. O Cineclube Paraense se reuniu, mais uma vez, e elegeu o Top 10 com as melhores tramas sobre paternidade. Foram enviadas 12 listas individuais e citados 68 filmes diferentes.

Lista final - O resultado final ficou assim: em primeiro lugar, o campeão, com 42 pontos, foi “O Garoto” (de Charles Chaplin); no segundo posto ficou “Peixe Grande e Suas Histórias Maravilhosas” (de Tim Burton), com 38 pontos, foi empate, mas ele teve um primeiro lugar; em terceiro, “A Vida é Bela” (de Roberto Benigni), com 38 pontos (empate); em quarto lugar, “Em Nome do Pai” (de Jim Sheridan), com 37 pontos; em quinto, “Um Lugar Qualquer” (de Sofia Coppola), com 34 pontos; em sexto, “Capitão Fantástico” (de Matt Ross), com 30 pontos; em sétimo, “Ladrões de Bicicleta” (de Vittorio de Sica), com 25 pontos; em oitavo, “A Árvore de Vida” (de Terrence Malick), com 24 pontos; em nono, “Kramer vs. Kramer” (de Robert Benton), com 21 pontos; e em décimo, “À Procura da Felicidade” (de Gabriele Muccino), com 20 pontos.

Primeiro lugar - Lançando em 1921, na época do cinema mudo, “O Garoto”, mostra uma mãe solteira que deixa o filho recém-nascido no banco de um carro luxuoso, com um bilhete. O carro é roubado e os ladrões deixam o bebê em uma ruela. Sem saber de nada, um vagabundo (Charles Chaplin) encontra a criança. Inicialmente, o homem quer se livrar do bebê, mas diversos fatores sempre o impedem. Enquanto isso, a mãe se arrepende e tenta reencontrar o filho, mas, enquanto isso, o amor e a ‘parceria’ entre o vagabundo e a criança vão crescendo, cada vez mais.

Segundo lugar - “Peixe Grande e Suas Histórias Maravilhosas” é um filme de 2003 e conta a história de Ed Bloom (Albert Finney), um grande contador de histórias, desde que saiu do Alabama, para realizar uma volta ao mundo. A diversão predileta de Ed, já idoso, é contar sobre as aventuras que viveu nesse período, mesclando realidade e fantasia. As histórias fascinam todos que as ouvem, com exceção de Will (Billy Crudup), filho de Ed. Até que Sandra (Jessica Lange), mãe de Will, tenta aproximar pai e filho, o que faz com que Ed, enfim, tenha que separar a ficção da realidade de suas histórias.

Terceiro lugar - “A Vida é Bela”, filme de 1999, conta uma trama que se passa durante a Segunda Guerra Mundial, na Itália, quando o judeu Guido (Roberto Benigni) e seu filho Giosué são levados para um campo de concentração nazista. Afastado da mulher, Guido tem que usar sua imaginação para fazer o menino acreditar que estão participando de uma grande brincadeira, com o intuito de protegê-lo do terror e da violência que os cercam.

Quarto lugar - “Em Nome do Pai”, de 1993, mostra um atentado do IRA que mata cinco pessoas num pub de Guildford, cidade próxima à Londres. Gerry Conlon (Daniel Day-Lewis) é um jovem rebelde irlandês, injustamente acusado pelo crime, mas que pega prisão perpétua. Giuseppe Conlon (Pete Postlethwaite), o pai dele, tenta ajudá-lo, mas é condenado também. Enquanto Gerry tem que lidar com a injustiça de estar preso, ele consegue a ajuda da advogada Gareth Peirce (Emma Thompson), que passa a investigar as irregularidades do caso.

Quinto lugar - “Um Lugar Qualquer”, de 2010, traz Johnny Marco (Stephen Dorff), um bem-sucedido ator de Hollywood que passa os dias em festas com strippers ou dirigindo sua Ferrari. Porém, o ator tem sua rotina subitamente alterada pela presença de Cleo (Elle Fanning), sua filha de 11 anos, que passa a visitá-lo com certa frequência. Embora a princípio seja incapaz de dar à menina a atenção que precisa, a progressiva aproximação leva Johnny a reavaliar sua vida.

Sexto lugar - “Capitão Fantástico”, de 2016, conta a história de Ben (Viggo Mortensen), que tem seis filhos com quem vive no meio da floresta, numa rígida rotina de aventuras. As crianças lutam, escalam, leem obras clássicas, debatem, caçam e praticam duros exercícios, tendo a autossuficiência sempre como palavra de ordem. Certo dia, um triste acontecimento leva a família a deixar o isolamento e o reencontro com parentes distantes traz à tona velhos conflitos.

Sétimo lugar - “Ladrões de Bicicleta”, de 1948, é um dos filmes mais marcante do movimento Neorrealismo Italiano, e traz uma história que se passa em Roma, quando um trabalhador de origem humilde, Antonio Ricci (Lamberto Maggiorani), luta para sustentar a família. Precisando de uma bicicleta para começar em um novo emprego, Ricci penhora as roupas de cama da casa. Para desespero da família, a bicicleta é roubada e Antonio sai junto com o filho Bruno (Enzo Staiola) para procurá-la pela cidade.

Oitavo lugar - “A Árvore de Vida”, de 2011, tem foco nos O'Brien (Brad Pitt e Jessica Chastain), que tiveram três filhos, criados com grande rigidez pelo pai. O mais velho deles, Jack (Sean Penn, que conta a história em flashback), sempre teve atritos com o pai, em parte por reconhecer em si mesmo um pouco dele. Além disso, já adulto, Jack enfrenta um forte sentimento de culpa devido à morte de um dos irmãos.

Nono lugar - “Kramer vs. Kramer”, de 1979, conta a história de Ted Kramer (Dustin Hoffman), para quem o trabalho vem antes da família. Joanna (Meryl Streep), sua mulher, sem suportar a situação, sai de casa, deixando Billy (Justin Henry), o filho do casal. Quando Ted consegue finalmente ajustar seu trabalho às novas responsabilidades, Joanna reaparece exigindo a guarda da criança. Ted não aceita e os dois vão ao tribunal lutar pela custódia do garoto. Este filme deu o primeiro Oscar para La Streep, como coadjuvante.

Décimo lugar - “À Procura da Felicidade”, de 2006, traz a história de Chris Gardner (Will Smith), um pai de família que enfrenta sérios problemas financeiros e esposa dele decide partir. Chris precisa cuidar de Christopher (Jaden Smith), seu filho de apenas 5 anos. Ele tenta usar sua habilidade como vendedor para conseguir um emprego melhor, que lhe dê um salário mais digno. Chris e Christopher dormem em abrigos, estações de trem e banheiros mantendo a esperança de que dias melhores virão. Este filme é baseado em fatos reais.

 

Tags

Cineclube Paraense Cinema

Comentários

*Os comentários não representam a opinião do site, a responsabilidade é do autor da mensagem.


  • in this conversation
      Media preview placeholder