Iniciativa

Imprensa Oficial discute mercado editorial no Pará

Como parte do evento comemorativo pelos 129 anos de fundação da Imprensa Oficial (IOE), completados no último domingo (14), será realizado nesta quarta-feira (17), às 9h30, no auditório da autarquia, um debate sobre o papel do Estado no incentivo à leitura e a produção literária

Como parte do evento comemorativo pelos 129 anos de fundação da Imprensa Oficial (IOE), completados no último domingo (14), será realizado nesta quarta-feira (17), às 9h30, no auditório da autarquia, um debate sobre o papel do Estado no incentivo à leitura e a produção literária. O evento vai reunir representantes de editoras locais, da Academia Paraense de Letras, escritores, entre outros. 

O objetivo é reunir subsídios para a criação da Editora Pública. Em fase de elaboração, a proposta é que a editora tenha uma política de publicações, com um conselho editorial formado por especialistas no assunto, com regras claras de como serão publicados os livros pelo Estado.

Segundo Rodrigo Moraes, responsável pela montagem da editora, a IOE vem conversando com diversos segmentos do mercado editorial, como as universidades públicas, na busca de critérios de seleção das produções. “Será criado um edital para cada região, com critérios de avaliação e publicação definidos pelo conselho editorial”, adiantou.

A editora terá, ainda, uma linha de reedição de autores paraenses que estão fora de catálogo, e uma linha mais comercial voltada para autores e seus diversos tipos de publicação. “Serão obras infantis, poemas, crônicas, artigos científicos, entre outros”, esclarece Moraes.

Dênis Girotto de Brito, da Pará.grafo Editora, que vem realizando campanha de financiamento coletivo para reeditar as obras do escritor marajoara Dalcídio Jurandir, diz que a produção editorial no Pará é difícil e complexa. “Embora tenhamos grandes escritores no Estado, novos e veteranos, produzir e vender livros aqui é um trabalho ousado. Acredito que um dos maiores problemas para as editoras sediadas no Pará é a logística, tanto no processo de produção do livro quanto na distribuição” pontua.

“A questão principal é que não existe um mercado editorial. As poucas editoras existentes são microempresas que em geral, devido aos altos custos das gráficas locais, imprimem em outros Estados” acrescenta o escritor Alfredo Garcia.

Giroto cita o exemplo da Pará.grafo, sediada em Bragança, nordeste paraense. “Os livros que editoramos são impressos em São Paulo, transportados para Bragança e depois distribuídos para vários estados. Num país continental como o nosso, esse processo encarece o livro e torna a competitividade com as grandes editoras cada vez mais difícil. E ainda tem o problema da distribuição. Há poucas livrarias no Pará, o que nos força a optar e dar prioridade às vendas online. Além de tudo isso, ainda há a falta de incentivos, por parte do poder público, para essas pequenas editoras regionais que carregam a literatura paraense nas costas”, pondera. 

Segundo ele, a criação de uma editora pública “é uma ótima ideia, desde que essa editora tenha como objetivo a produção e incentivo à literatura paraense, resgatando obras de autores consagrados da nossa literatura e publicando também novos autores” pontua.

“Viria preencher uma lacuna no mercado local, dependendo da forma que será constituída” acrescenta Alfredo Garcia.

Serviço:
Debate sobre mercado editorial no Pará
Data: 17/04/2019
Hora: 9h30
Local: Imprensa Oficial do Estado, na Travessa do Chaco, 2271.
Contato: 4009- 7829

Tags

ioepa

Comentários

*Os comentários não representam a opinião do site, a responsabilidade é do autor da mensagem.