Em pedaços

Imagem de São Benedito, padroeiro de Bragança, desmoronou na margem do Rio Caeté

Mirante na beira do Rio Caeté caiu na hora do almoço. Prefeitura anuncia que vai contratar  empresa para reconstruir a imagem do padroeiro.   

Se a situação de prédios e monumentos históricos é de abandono, carência de manutenção e restauro, na capital, imagine-se como, no interior do Estado encontram-se prédios públicos, igrejas, palacetes e outros símbolos relevantes da história e da cultura locais.

Vigia e Bragança são duas cidades quatrocentonas do interior do Estado. Em ambas as localidades há preciosos acervos arquitetônicos, mas, salvas exceções, esses patrimônios, não poucos construídos nos séculos 18 e 19, precisam de restauro ou simples conservação.

Agora mesmo, em Vigia de Nazaré está posta a polêmica (veja na matéria Veto ao tombamento da Igreja de Pedra reabre polêmica sobre Museu de Castanhal) sobre o tombamento da Igreja de Pedra, enquanto Bragança assiste ao desmoronamento do monumento (uma obra recente, diga-se de passagem) simbólico da identidade religioso-cultural do município: a imagem do São Benedito, que se via às margens do Rio Caeté, em frente à cidade, na comunidade Camutá.  Se não se pode dizer que o santo “caiu de podre” – sob pena de se ofender os devotos e quase pecado –, a imagem de 15 metros de altura caiu sim sob os efeitos do tempo, embora não chovesse na hora do acidente.

ANTIGA PREFEITURA RUÍU HÁ UM ANO

Bragança não tem tido sorte com seus monumentos, símbolos de uma cultura portentosa. Em 21 de maio de 2018 desabou a antiga sede da Prefeitura local, um sobrado elegante localizado no centro histórico da cidade.

Para compensar a comoção que o lamentável episódio causou nesta segunda-feira, somando-se à tristeza que causou um ano antes episódio idêntico, a Prefeitura deu mais um passo para obter da Caixa Econômica Federal financiamento visando restaurar o prédio da antiga prefeitura: enquanto a imagem ruía na beira do rio, a prefeitura dava entrada na CEF, em Belém, a documentos necessários à obtenção de recursos necessários à obra de restauro do Palacete Augusto Corrêa, como é chamada a antiga sede da Prefeitura, que desabou sob o excesso de chuva.  O prédio histórico, localizado na Praça Antônio Pereira, estava interditado fazia quase uma década e a prefeitura sabia que o desabamento poderia ocorrer. Três meses antes do acidente assinou convênio com CEF para restaurar o prédio.

ESTRUTURA  ESTAVA COMPROMETIDA

O desmoronamento da imagem de São Benedito ocorreu por volta das 13 horas; se não fosse horário do almoço, talvez Bragança estivesse contando as vítimas do acidente: pela manhã, operários iniciaram os reparos no manto do santo, que apresentava rachaduras. Sem ninguém no local, não houve vítimas.

A imagem estava instalada sobre um pequeno santuário, onde os devotos de São Benedito faziam oração. Era atração turística, um mirante de onde se observava a cidade, no outro lado do Caeté.

O desmoronamento expôs uma construção aparentemente inadequada aos efeitos da alta salinidade do ar; as ferragens agora expostas parecem desproporcionais ao conjunto da massa de concreto que dava forma à imagem do padroeiro bragantino.  Tudo veio a baixo.  Em nota, a prefeitura informou que a imagem instalada no mirante estava  com a estrutura comprometida.

No ano passado, quando o palacete desabou, a prefeitura anunciou que mandaria fazer um laudo, solicitaria perícia do Instituto Médio Legal; acionaria a Defesa Civil. O mesmo prometeu agora. Agora, para dar resposta concerta à população, vai ser contratada uma empresa para fazer uma avaliação do que restou do mirante e reconstruir a imagem do padroeiro e revitalizar o espaço  do mirante.

PREFEITURA RESTAURA CASA DA CULTURA

O governo de Bragança não tem um mapeamento de prédios históricos ameaçados pela falta de manutenção. Um prédio particular muito antigo, que sediou no passado um Consulado de Portugal, foi demolido - tão deteriorado estava - sob exigência dos Bombeiros. Com recursos próprios, o município está finalizando o restauro de um prédio relevante para o patrimônio histórico, no centro da cidade, onde abrigará a Casa da Cultura do município.  

Como em Bragança tem imagem do festejado padroeiro, evocado em oração e ladainha, e cantado em toada de comitiva, presente onde quer que se e ponha o olho, a imagem que se vê na entrada da cidade, em frente ao estádio do Bragantino, está em perfeita ordem.

São Benedito agradece!

Tags

Bragança

Comentários

*Os comentários não representam a opinião do site, a responsabilidade é do autor da mensagem.


  • in this conversation
      Media preview placeholder

      15 Minutes Ago

      Benigna Soares

      Espera-se que até dezembro esteja pronto, para apreciação pelos turistas que vão para a Marujada


      • in this conversation
          Media preview placeholder